O Superior Tribunal de Justiça (STJ) ordenou o afastamento imediato de Wilson Witzel do cargo por 180 dias

O governador do Rio de JaneiroWilson Witzel, afirmou nesta sexta-feira (28) que a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de afastá-lo do cargo por 180 dias por acusações de corrupção foi política. “Essa minha indignação é a indignação de um cidadão que veio governar o Estado do Rio de Janeiro e está sendo massacrado politicamente porque há interesses que não me querem governando o Estado. Há interesses poderosos contra mim que querem destruir o Estado do Rio de Janeiro atingindo a mim, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e o vice-governador”, disse.

Witzel atacou diretamente a subprocuradora Lindora Araújo, que comanda a operação Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR). Segundo o governador, ela está o perseguindo e tem relações com a família Bolsonaro. O ex-juiz disse que Lindora “está se especializando em perseguir governadores e desestabilizar os Estados da Federação com investigações rasas, buscas e apreensões preocupantes”. Ele ainda afirmou que a procuradora tem relações com o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da República. “[Jair] Bolsonaro já declarou que quer o Rio de Janeiro, me acusou de perseguir a família dele, mas, diferentemente do que ele imagina, aqui a Polícia Civil é independente, o Ministério Público é independente”, afirmou. “Querem me massacrar. O senhor presidente da República, fez acusações contra mim extremamente graves e levianas porque acredita que vou ser candidato a presidente”, continuou. O chefe do governo fluminense se disse preocupado com a situação política do país. “Estou preocupado com os caminhos pelos quais nosso país está seguindo. As democracias morrem assim, aniquilando adversários com o uso da máquina pública e cooptando instituições”, disse, sem citar nomes.

Ainda no discurso, Wilson Witzel disse que muita gente o quer fora do governo porque “organizações criminosas estão perdendo dinheiro”. “Eu estou incomodando prendendo miliciano, prendendo traficante de drogas?”, questionou. “Todas as medidas que eu venho tomando são absolutamente contrárias a qualquer decisão de afastamento. Não há nenhum ato praticado por mim ao longo desses últimos meses que possa caracterizar que eu em algum momento atrapalharia a investigação.”

O governador garantiu que não cometeu nenhum ato ilícito. “Quero desafiar o MPF, na figura da doutra Lindora, já que a questão é pessoal, quero que ela apresente um e-mail, telefonema, prova ou pedaço de papel em que eu tenha pedido qualquer tipo de vantagem ilícita para mim”, disse. “Onde está o ato ilícito, a lavagem de dinheiro?”, continuou. Ele também afirmou que a esposa, Helena Witzel, não cometeu crimes. “Estão criminalizando a advocacia”, lamentou, pedindo um posicionamento da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Witzel reafirmou que não tem medo da delação premiada do ex-secretário de Saúde Edmar Santos, preso em julho. “É uma delação mentirosa de um homem desesperado, um bandido que enganou a todos”, disse. “Esse vagabundo entrou na saúde do Rio de Janeiro quando eu avisei que não toleraria corrupção e tentou ludibriar a todos nós. No meu governo, corrupto rapidamente é identificado”, prosseguiu. Ele também comemorou um “momento de lucidez” do ministro do STJ Benedito Gonçalves ao não aceitar o pedido de prisão preventiva, mas disse não haver motivo para o afastamento. “Não pode afastar um governador com a suposição de que ele vai fazer isso ou aquilo.”

Entenda

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) ordenou o afastamento imediato do governador Wilson Witzel do cargo por 180 dias. Ele é suspeito de envolvimento em irregularidades nas compras para a pandemia de Covid-19. Não há ordem de prisão contra o governador, mas o STJ determinou a detenção do ex-secretário de desenvolvimento do Rio de Janeiro, Lucas Tristão, que era braço direito de Witzel e uma pessoa muito ligada ao empresário Mário Peixoto, que foi preso durante a pandemia, e é um prestador de serviço que tem negócios com o governo do estado. Outro alvo é o Pastor Everaldo, que foi preso, e seu partido, o PSC, já liberou uma nota colocando o político à disposição e dizendo que “confia na Justiça”. Além disso, a polícia cumpre mandados de busca e apreensão contra a primeira-dama Helena Witzel, já que ela é sócia de um escritório que foi contratado por uma empresa suspeita de envolvimento nas irregularidades. O presidente presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), André Ceciliano (PT), também é alvo de mandados de busca e apreensão.

Segundo o repórter da Jovem Pan no Rio de Janeiro, Rodrigo Viga, a Polícia Federal está no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador, e no Palácio Guanabara, sede do governo do RJ, recolhendo materiais, documentos e eventuais provas que possam ajudar no andamento das investigações que têm como origem a colaboração premiada do ex-secretário de saúde Edmar Santos, além da Operação Placebo e Operação Favorito – ambas de maio deste ano. Cláudio Castro, vice-governador, assumirá o posto durante o afastamento de Witzel. Em nota, advogados de Witzel afirmaram: “A defesa do governador Wilson Witzel recebe com grande surpresa a decisão, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade. Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis.”

A Procuradoria-Geral da República informou que a operação foi batizada de “Tris in Idem” e que serão cumpridos 17 mandados de prisão – seis preventivas e 11 temporárias – e 72 de busca e apreensão. As ordens são cumpridas no Distrito Federal e em seis Estados: Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Alagoas, Sergipe, Minas Gerais. Também está sendo alvo de busca e apreensão um endereço no Uruguai, local onde estaria um dos investigados cuja prisão preventiva foi decretada. A investigação aponta que a organização criminosa instalada no governo estadual a partir da eleição de Witzel se divide em três grupos, para o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos liderados por empresários. Os grupos teriam loteado as principais secretarias para beneficiar essas empresas.

Jovem Pan 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui