Depois do apoio de Vené a Efraim Filho para Senado, Aguinaldo Ribeiro reage com naturalidade, mas determinado a ter PP na majoritária

Do ponto-vista da atividade política na Paraíba, o assunto mais comentado nas últimas 48 horas tem sido de fato o anúncio de apoio formal do senador Veneziano Vital à postulação do deputado federal Efraim Filho para o Senado, em 2022, com efeitos no estado, em especial Campina Grande, até pelo fato de lá estarem a senadora Daniela e o deputado federal Aguinaldo Ribeiro, dois interessados direto no assunto.

No caso de Aguinaldo, especificamente, já há uma decisão tomada pela condição dele liderar o partido com encaminhamento efetivo do PP estar conduzindo as ações depois da Pandemia para ter candidatura própria ao Governo ou ao Senado na Paraiba em 2022 – qual cargo, isto vai depender.

CONJUNTURA E MOVIMENTOS

A construção da aliança entre Veneziano e Efraim permite alinhar essa estratégia a uma proximidade maior com o governador João Azevêdo marcando assim espaço ocupado desde já e, de certa forma, pressionando para consolidar o acordo, daí ser realidade a ser levada em conta.

No caso dos Ribeiro, o movimento existente entre eles é dar tempo ao tempo pois, como até admite Aguinaldo, o fator pressa pode não ser decisivo porque tem muita coisa para acontecer até o desfecho da chapa próximo ano, além do mais aguarda o desenrolar do governo Azevêdo visando saber como tudo ficará.

Pelas contas do PP, tanto Daniela pode ser candidata ao Governo como Aguinaldo tem também perfil para disputar o Senado podendo, no segundo caso, acompanhar e entender os movimentos do governador ate 2022 porque há um fator a alentar, que é a possibilidade de Azevêdo precisar ter alguém que reforce sua chapa e não necessariamente já com quem conte por já estar na sua base.

No caso de Daniela, a tese é construir alternativa para o Governo no tempo certo, mais na frente, com alinhamento a um projeto conceitual à altura dos novos tempos e desejos populares. O fato dela ser mulher e ter atuação de abrangência estadual precisa construir perfil para ser absorvida mais pelos ambientes urbano e rural.

FATOR “SEM COLIGAÇÃO”

Na conjuntura de 2022 será preciso ainda acompanhar os efeitos de jurisprudência aprovada pelo STF consolidando que na próxima disputa não poderá haver coligação partidária e isto impactará na Paraiba, como todo País, condição esta que afetará certamente os partidos e candidaturas no Estado.

Em sintese, diante do acordo em torno de Efraim Filho e seus efeitos, tal conjuntura não amedrontou Aguinaldo Ribeiro e o PP, que se mantêm construindo projeto de disputar a majoritária em 2022.

Se próximo ou distante do governador eis a incógnita.

Wscom 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui