Deputado Wallber Virgolino (Foto: Portal Correio)

Presidente do Patriota na Paraíba, o deputado Wallber Virgulino afirmou que a aproximação da legenda com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não vem de agora. “O Partido Ecológico Nacional (PEN) se transformou em Patriota para abarcar Bolsonaro nas eleições de 2018. Houve alguns problemas e Bolsonaro saiu do partido [não chegou a se filiar de fato] e foi para o PSL”. As informações são da jornalista da Rede Correio Sat, Sony Lacerda, em seu blog.

Em novembro de 2017, estava tudo certo para que o então deputado federal Jair Bolsonaro, filiado ao PSC, entrar no Patriota. Um mês depois, a falta de entendimento com o presidente do PEN/Patriota, Adilson Barroso, devido ao comando da legenda e em relação ao fundo partidário, frustrou os planos. Ele se filiou ao PSL, saiu candidato e se elegeu presidente da República. Em novembro de 2019, deixou o partido que o elegeu após um racha interno.

Em conversa com o Blog, Wallber disse esperar que Bolsonaro venha para fortalecer o partido e que as pessoas que o acompanharem cheguem com “espírito de união”. “Patriota é o único partido do Brasil que consta no estatuto que é cristão. Espero que ele venha de fato e a gente consiga transformar o Patriota no maior partido do Brasil e da Paraíba”, declarou o deputado.

Wallber disse que sempre será leal ao partido, mas que não faz questão ser o comandante. “Eu quero é que o partido cresça”. Com a vinda de Bolsonaro, o partido ficará mais forte. O deputado garantiu que serão lançadas candidaturas a governador, ou vice, senador, deputados estadual e federal.

“Vamos partir para cima, assim como fizemos nas eleições para prefeito. Não seguiremos o trampolim e não iremos servir de massa de manobra para que esses partidos que dominam a Paraíba há muito tempo”, disparou Wallber.

Sobre o projeto dele para 2022, disse que, a preço de hoje, é candidato a deputado estadual. Mas, pode concorrer ao Senado. “Estou vendo aí dois nomes já colocando os nomes à disposição. Eu posso ir para cima deles, a depender da conjuntura. O Senado está livre. Apesar de uma vaga só, eu não vejo concorrentes fortes, com histórico e história para disputar o voto útil, daquelas pessoas querem mudança”.

O “Aliança pelo Brasil”, partido idealizado pelo presidente ao deixar o PSL, ainda não conseguiu se viabilizar junto ao Tribunal Superior Eleitoral. A lista de apoiadores não tem fluído. Na Paraíba, a campanha de filiação a nova legenda tem sido encampada pelo deputado estadual Cabo Gilberto Silva, que está no PSL.

Portal Correio 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui