Manifestação contra violência conjugal em Paris, em 2019
 Martin BUREAU / AFP

A alta representa um número de 142.310 pessoas agredidas no ano passado, de ambos os sexos, segundo dados do Ministério do Interior divulgado nesta segunda-feira (16). Cerca de 88% das vítimas de violência conjugal são mulheres, o que representa cerca de 125.840 pessoas.

A proporção é estável em relação a 2018, de acordo com os dados do Ministério, que não levou em conta os homicídios nas estatísticas. Em 2019, 146 mulheres foram assassinadas pelos seu marido ou ex-marido, 25 a mais do que no ano anterior, de acordo com dados oficiais publicados em agosto.

Essa alta, lembra o governo, também pode ser resultado do efeito positivo do chamado Grenelle das violências conjugais, um ciclo de debates de três meses sobre a violência doméstica que aconteceu em 2019 na França e reuniu ONGs de defesa dos direitos da mulher, especialistas de áreas multidisciplinares (polícia, justiça, família, infância) e familiares de vítimas.

 As discussões incitaram as mulheres a prestar queixa e denunciar os crimes e levou o governo a criar novas leis para proteger as vítimas. Entre elas, uma nova circunstância agravante para os autores de agressões que levarem ao suicídio e a noção de “controle psicológico.”

Maior parte dos casos ocorre no leste do país

Os estupros e as agressões sexuais correspondem a 3% das denúncias, feitas em 98% dos casos pelas mulheres. A região de Doubs, no leste, registra o maior número de casos, como em 2018, seguida pela Côte d’Or, Côtes d’Armor, na Bretanha, e Seine Saint-Denis, nos arredores de Paris.

Em outro balanço, divulgado pelo Insee, o Instituto de Estatísticas francês, 295.000 pessoas, entre elas 213.000 mulheres, declararam ter sido vítimas de violência física ou sexual entre 2011 e 2018. Outro estudo do Ministério do Interior também mostrou que 1746 infrações foram registradas na França pelas forças de segurança em dois anos, envolvendo “ultrajes sexistas”.

RFI 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui