O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e o presidente Jair Bolsonaro em evento em Flores de GoiásIsac Nóbrega/PR – 18.nov.2020

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), sugeriu, em publicação no Twitter, que o governo do presidente Jair Bolsonaro irá confiscar vacinas que não sejam aplicadas de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. Segundo ele, a informação é do ministro Eduardo Pazuello (Saúde).

“Toda e qualquer vacina registrada, produzida ou importada no país será requisitada, centralizada e distribuída aos Estados pelo Ministério da Saúde. Pazuello me informou isso aqui em Goiânia, hoje. Nenhum Estado vai fazer politicagem e escolher quem vai viver ou morrer de Covid”, disse Caiado.

A medida vai contra os planos do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que afirmou na última 2ª feira (7.dez.2020) que a vacinação contra a covid-19 no Estado vai começar em 25 de janeiro, dia do aniversário da capital paulista. A vacina oferecida será a CoronaVac, desenvolvida em parceria do Instituto Butantan com a farmacêutica chinesa Sinovac.

O anúncio de Doria foi criticado pelo governo. Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência disse que a decisão do tucano desrespeita a autoridade da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e é uma atitude “inconstitucional e ilegal”. A agência ainda não aprovou nenhuma das 4 vacinas hoje testadas no Brasil: CoronaVac, Moderna, Pfizer e a do grupo Johnson & Johnson.

O presidente Jair Bolsonaro disse, sem citar Doria, na 3ª feira (8.dez.2020), que o governo federal vai “proteger a população respeitando sua liberdade, e não usá-la para fins políticos, colocando sua saúde em risco por conta de projetos pessoais de poder”.

Durante a visita a Goiânia, neste 6ª feira (11.dez), o ministro da Saúde disse que “nenhum Estado da Federação será tratado de forma diferente“.“Nenhum brasileiro terá vantagem sobre outros brasileiros”, afirmou.

Pazuello disse ainda que vai cobrar agilidade nas análises da Anvisa. “Não há no mundo, até hoje, nenhuma vacina registrada. O que estamos vendo na Inglaterra é a autorização emergencial de uso para grupos restritos e com assinatura de responsabilidade individual. Essa mesma autorização emergencial foi assinada ontem nos EUA e será solicitada à Anvisa no Brasil”, declarou.

O ministro disse ainda que já está em busca de recursos para comprar as doses necessárias. “Determinei também que nós tivéssemos contratos, não vinculantes inicialmente, mas memorandos de entendimento com todos os fabricantes de vacina que se disponibilizarem no nosso país”, disse. “A responsabilidade é das autoridades que estarão oferecendo a vacina, oferecendo de forma gratuita e voluntária”.

Segundo Caiado, Pazuello também disse que fechou a compra de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer. Em janeiro já serão 500 mil doses para começar a vacinação do grupo de risco em todos os Estados. Disse que “nenhum goiano, nenhum brasileiro será deixado para trás”.

“PANDEMIA NÃO ACABOU”

Em Goiânia, Pazuello disse que “a pandemia não acabou“. A declaração foi feita 1 dia depois de o presidente Jair Bolsonaro afirmar que o Brasil vive um “finalzinho de pandemia”.

“A pandemia não acabou. Ela prossegue, vamos conviver com o coronavírus. Vamos chegar próximo a uma normalidade quando tivermos as vacinas, os antivirais que combatem efetivamente a doença”, disse Pazuello.

Poder360

Compartilhar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui