Faleceu, ontem, no Hospital Metropolitan Dom José Maria Pires, aos 89 anos, Maria Avani Rego, que marcou época no rádio paraibano, nas décadas de 1960 a 1980, com o nome artístico de Nalda de Abreu, escolhido para ocultar da família o fato de a moça, filha única, ser profissional do rádio, o que na época era motivo de preconceito. O velório acontece na Central São João Batista, das 9h às 15h. Nauda teria sofrido uma queda em casa e por causa disso foi encaminhada para o atendimento médico. Anos atrás, ela havia se recuperado de um câncer.

“Nauda de Abreu começou no rádio paraibano em 1951 como cantora e locutora encarregada da leitura dos reclames nos programas de auditório na Rádio Arapuan; aposentou-se em 13 de abril de 1983. Ela conta que a mulher não era bem vista por trabalhar no Rádio. Para atuar no veículo, escondida da família, adotou o nome artístico de Nauda de Abreu.

As vozes femininas mais famosas do Rádio Paraibano foram a própria Nauda, que foi promovida a locutora da Rádio Arapuan em 1957 através de teste, Ana Paula, Irece Botelho (aposentadas) e Zélia Gonzaga, morando no Paraná”, conta Moacir Barbosa de Sousa em artigo para o Intercom. Lembrando que o radialista iêdo ferreira, chegava na Rádio Arapuan, vindo da Rádio Cajazeiras, e ingressava na Rádio Arapuan AM como  controlista em 1967 e,  operava para os programas de Nauda de Abreu, que também era discotecária da emissora. Na década de 70, a emissora funcionava na Almirante Barroso e,novamente voltaram a trabalhar juntos

Durante muitos anos, Nalda morou na Vila João Marques de Almeida, no bairro do Róger. Atualmente, contudo, ela vivia no Bairro dos Estados com o irmão, Tarcísio Pedrosa.

 

Compartilhar: