Câmara dos Deputados votará MP que prevê privatização da estatalImagem: Brendan McDermid/Reuters

privatização da Eletrobras vai resultar em um aumento de R$ 20 bilhões por ano aos consumidores, segundo estimativa da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres).

De acordo com a associação, a contratação de termelétricas em quantidades e locais já definidos, sem suporte e estudo técnico, pode resultar no aumento de custo.

Para a Abrace, os aumentos para o setor produtivo chegariam a 20% da conta de energia, que serão refletidos nos preços dos produtos e serviços à população. Como exemplo, a associação estima um aumento de 10% no preço do leite e 7% na carne.

Além disso, a prorrogação do Proinfa (Programa de Incentivo às Fontes de Energia Elétrica) acrescentaria R$ 3 bilhões por ano às contas de energia, segundo a Abrace.

A expectativa é que a criação de reserva de mercado para Pequenas Centrais Hidrelétricas nos próximos leilões de energia nova também aumente o custo anual do consumidor cativo em quase R$ 1 bilhão por 30 anos.

“Por estes motivos, a privatização da Eletrobras nestes termos não deveria prosseguir, pelos altos custos impostos à população brasileira”, afirma Paulo Pedrosa, presidente da Abrace. “O projeto escolhe vencedores e faz dos consumidores do Brasil perdedores”, completa.

A Câmara dos Deputados deve começar a votar hoje a MP (Medida Provisória) que prevê a privatização da Eletrobras. Na prática, a participação acionária do governo e do BNDES na empresa diminuiria, com a venda de novas ações na Bolsa de Valores.

Atualmente a estatal é vinculada ao Ministério de Minas e Energia e responde por 30% da energia gerada no país. O texto foi enviado ao Congresso em fevereiro e tem que ser votado até o dia 22 de junho, caso contrário, perde a validade.

Uol 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui