Wilson Witzel no Palácio Laranjeiras em pronunciamento após afastamento do STJ – Cléber Mendes
Rio – A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter o afastamento de Wilson Witzel (PSC) do governo do estado. Doze ministros, dos 15 presentes no julgamento por videoconferência, na tarde desta quarta-feira, votaram pela manutenção da decisão tomada pelo ministro Benedito Gonçalves, na última sexta-feira. Apenas um deles, Napoleão Nunes, votou contra.
O julgamento ainda segue pelo colegiado. No entanto, já houve maioria a favor do afastamento. Até o momento, 10 ministros votaram a favor e um contra.
Benedito Gonçalves afastou o governador do cargo por pelo menos seis meses após investigações da Procuradoria-Geral da República (PGR) apontar o envolvimento de Witzel em desvios no governo do estado.
De acordo com a PGR, desde que assumiu o cargo,em janeiro de 2019, Witzel montou uma organização criminosa dentro do governo do estado. A quadrilha foi dividida em três grupos, que disputavam o poder com desvio de recursos dos cofres públicos.
O julgamento
No início da sessão, a defesa de Witzel apresentou duas “questões de ordem”. Uma para discutir o quórum qualificado (para esclarecer o número mínimo de votos para mantê-lo afastado). A Corte Especial do STJ, que é formada por 15 dos 33 ministros mais antigos do tribunal, entendeu que eram necessários o mínimo de 10 votos (quórum qualificado de 2/3) para que Witzel continuasse afastado do cargo de governador.
A segunda “questão de ordem” apresentada pela defesa era impedir que o julgamento fosse transmitido ao vivo pelo YouTube. A justificativa dos advogados foi que as investigações seguiam sob sigilo. No entanto, o pedido foi rejeitado pelos ministros.
O relator do processo, o ministro Benedito Gonçalves, foi o primeiro a votar. Em seu voto, o magistrado disse que sua decisão de aplicar a Witzel medidas cautelares diversas da prisão, é uma uma alternativa “menos gravosa”.

“Foi pedida a prisão preventiva. Entendi que a prisão preventiva era mais gravosa. Entendi por optar por medida menos gravosa, que era afastamento”,afirmou Gonçalves.

O ministro Napoleão Nunes Maia, até o momento, foi o único a votar contra o afastamento de Witzel.

“A decisão liminar do ministro Benedito Gonçalves, sem fazer nenhuma restrição à lucidez de sua percepção, sem manifestar qualquer descontentamento com o conteúdo da sua decisão, eu penso que ela não está a merecer, da minha parte, o meu referendo”, alegou o magistrado no seu voto.
O Dia 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui