Foto: Nelson Almeida/AFP)

A Procuradoria Geral da República (PGR) defendeu, nesta quarta-feira (2/9), que Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, volte para a prisão, com a esposa, Márcia Aguiar. Ambos estão em prisão domiciliar por ordem do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em ação apresentada na Corte, a procuradoria defende que ambos podem responder ao processo encarcerados e que não existe risco à saúde de ambos, como alegado pelas defesas para obter o regime domiciliar. O caso tramita em sigilo. Queiroz e a esposa são acusados de envolvimento em um suposto esquema de rachadinha montado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O parecer da PGR é assinado pelo subprocurador-geral da República Alcides Martins. O ministro Gilmar Mendes pode levar o caso para a Segunda Turma da Corte. O esquema de corrupção teria sido montado no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual.

O parlamentar também é investigado. As diligências tiveram início quando as autoridades identificaram movimentações atípicas de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz.

Correio Braziliense 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui