Portugal registra queda no turismo para enfrentar alta de contaminações
 REUTERS/Rafael Marchante

Portugal registrou entre janeiro e setembro quase 10 milhões de turistas estrangeiros a menos do que no mesmo período do ano passado. A baixa é uma das consequências da crise da Covid-19, que afeta um dos pilares da economia do país. Os dados representam uma queda de 73,8%, revelou nesta segunda-feira (16) o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

No total, o setor português de hotelaria recebeu 8,7 milhões de pessoas durante nove meses. O número corresponde a 59,3% hóspedes a menos, o que provocou uma queda de 64,5% no faturamento. No total, as perdas são calculadas em cerca de € 1,23 bilhão (cerca de R$ 7 bilhões).  Neste contexto, o número de turistas estrangeiros que vistou o país foi de apenas 3,4 milhões, contra 13 milhões entre janeiro e setembro de 2019.

O mercado interno apresentou melhores resultados, com uma queda de 36,9% – cerca de 5,3 milhões de hóspedes. Em relação aos turistas estrangeiros, “os principais mercados também registraram quedas significativas, acima de 60%”, destacou o INE português.

Os turistas que visitam Portugal vêm principalmente do Reino Unido. Entre o final de agosto e meados de setembro, o país beneficiou de uma suspensão temporária das restrições às viagens impostas aos britânicos. Entre abril e julho, o número de diárias de hóspedes do Reino Unido caiu mais de 90%. Desde então, a queda em ritmo anual passou de 79,9% em agosto para 70,7% em setembro.

O turismo representa 8,7% do PIB do país. Em 2019, em seu conjunto, apenas o mercado britânico gerou € 3,3 bilhões de euros (cerca de R$ 21 bilhões) em renda, à frente do mercado francês, com € 2,6 bilhões (cerca de R$ 15 bilhões).

Manifestações

Cerca de 500 pessoas protestaram no centro da capital, convocados pelo setor de restaurantes – um dos mais atingidos por essa medida – e um movimento de cidadãos que organizou uma “marcha pela liberdade”. Nesta segunda-feira (16), o estado de emergência sanitária – aliado ao toque de recolher noturno e ao fim de semana – se estenderá a novas regiões, afetando 80% da população.

Neste final de semana, também entrou em vigor a “proibição de circular em vias públicas” a partir das 13h00  em mais de uma centena de cidades portuguesas onde a transmissão está acelerada e onde vivem cerca de 70% dos dez milhões de habitantes do país.

(Com informações da AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui