O deputado estadual, Anísio Maia (PT), em entrevista a imprensa, comentou sobre as tradicionais diferenças de opiniões dentro da sigla ao longo da sua história, destacando que esse comportamento de convivência entre alas divergentes é uma marca da sigla.

“Assim como não achamos promissora a vinda de Ricardo Coutinho para o PT, existem aqueles que defendem o contrário. O verdadeiro petista tem que saber conviver com os impasses”, comentou Anísio.

A declaração acontece em meio a uma polêmica, onde ele e outros três integrantes da legenda em João Pessoa, responderem processo administrativo por violações a disciplina, fidelidade e a ética partidária ao ir de encontro a uma deliberação da Executiva Nacional. Segundo a secretária nacional de organização e autora do pedido, Sonia Braga, Anísio Maia disputou por iniciativa própria e sem consentimento do partido as eleições para prefeito de João Pessoa em 2020.

“É um processo antigo, que eu pensava até que iria ser arquivado. Se analisar qual a lógica dele, não tem. Porque uma pessoa que tem a minha história, que todos conhecem, ser processado no PT por falta de ética? É uma coisa que poucos acreditam. Mas tem essa iniciativa, o partido tem um procedimento regimental, e isso agora foi desengavetado. Estou tranquilo, isso não me toca, ou me atinge, as pessoas me conhecem e essa história tende a ser arquivada porque não tem nenhuma lógica”, explicou Anísio Maia.

Entenda o caso –  Maia é investigado por ter mantido a sua candidatura a prefeito de João Pessoa em 2020, mesmo após o PT estadual e nacional terem deliberado por apoiar o candidato do PSB na época, Ricardo Coutinho.

“A direção nacional tomou uma decisão contra uma tática eleitoral em João Pessoa e à revelia da posição nacional o deputado Anísio Maia e outras pessoas foram contra e mantiveram a candidatura, que foi o pior fracasso para a pior votação que o Partido dos Trabalhadores teve na historia em João Pessoa”, disse a secretaria de Organização do PT, Sônia Braga, que é autora da denúncia contra o parlamentar. Para Sônia Braga, o deputado descumpriu uma orientação nacional. “Eu que fiz a denúncia, eu que assinei como membro da executiva nacional que fui encarregada de acompanhar o processo , no final eu assinei um pedido de comissão de ética. Portanto a comissão de ética do partido está funcionando. E nessa sexta-feira teremos mais de uma fase dessa comissão de ética”, frisou.

PBAgora

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui