(FILES) This handout photo released by the University of Maryland School of Medicine on January 10, 2022 shows surgeons performing a transplant of a heart from a genetically modified pig to patient David Bennett, Sr., in Baltimore, Maryland, on January 7, 2022. – Bennett, 57, the first person to receive a pig heart transplant, died on March 8, 2022, two months after the historic procedure, the University of Maryland Medical System, which carried out the surgery said in a statement on March 9. (Photo by UNIVERSITY OF MARYLAND SCHOOL OF MEDICINE / AFP) / RESTRICTED TO EDITORIAL USE – MANDATORY CREDIT “AFP PHOTO / UNIVERSITY OF MARYLAND SCHOOL OF MEDICINE ” – NO MARKETING – NO ADVERTISING CAMPAIGNS – DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS

Cirurgiões realizando um transplante de coração de um porco geneticamente modificado para o paciente David Bennett, Sr., em Baltimore, Maryland, em 7 de janeiro de 2022 – Foto: University of Maryland School of Medicine / AFP

A primeira pessoa a receber um transplante de coração de porco morreu dois meses após o procedimento histórico nos Estados Unidos, informou nesta quarta-feira (9) o hospital que realizou a cirurgia.

David Bennett, de 57 anos, que morreu em 8 de março, recebeu seu transplante em 7 de janeiro, informou a Universidade de Maryland, situada no estado de mesmo nome no leste dos Estados Unidos, em comunicado.

Continua depois da publicidade

“Sua condição começou a se deteriorar há vários dias”, diz a nota.

O transplante inédito gerou expectativas de que o uso de órgãos de outras espécies seria a solução no futuro para resolver a escassez crônica de órgãos humanos para doação.

Por sua vez, a equipe responsável pela cirurgia mantém seu otimismo sobre o êxito desse procedimento no futuro.

“Depois que ficou claro que ele não se recuperaria, ele recebeu cuidados paliativos compassivos. Ele conseguiu se comunicar com sua família durante suas últimas horas”, diz o comunicado.

Após a cirurgia, o coração transplantado funcionou muito bem por algumas semanas, sem sinais de rejeição, indicou a universidade.

Bennett passou algum tempo com sua família, fez sessões de fisioterapia, assistiu ao Super Bowl – a final da liga de futebol americano NFL – e sempre falava sobre o seu desejo de voltar para casa para ver seu cachorro Lucky.

“Ele mostrou ser um paciente corajoso e nobre, que lutou até o fim. Expressamos nossas mais sinceras condolências à família”, comentou Bartley Griffith, o cirurgião que conduziu o procedimento.

Em outubro de 2021, Bennett deu entrada no hospital da Universidade de Maryland. Estava deitado em uma cama e conectado a uma máquina de suporte vital de emergência. Foi considerado não elegível para um transplante humano, o que acontece quando o receptor tem problemas de saúde subjacentes.

“Obtivemos aprendizados inestimáveis sobre como o coração de porco geneticamente modificado pode funcionar bem dentro do corpo humano enquanto o sistema imunológico se comporta adequadamente”, afirmou Muhammad Mohiuddin, diretor do programa de xenotransplante cardíaco da universidade americana.

“Seguimos otimistas e planejamos continuar com nosso trabalho em futuros ensaios clínicos”, ressaltou.

Veículos de comunicação dos Estados Unidos revelaram que Bennett tinha sido condenado por esfaquear um homem várias vezes em 1988, o que deixou a vítima paralítica antes de morrer em 2005.

Os especialistas em ética médica, por sua vez, afirmam que os antecedentes criminais de uma pessoa não deveriam influenciar em seu futuro tratamento de saúde.

AFP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui