O ministro do Interior francês Gérald Darmanin após encontro no palácio do Eliseu, em 25 de novembro
 REUTERS – CHARLES PLATIAU

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, foi sabatinado nesta segunda-feira (30) pela Comissão de leis da Assembleia Nacional, após a divulgação de casos de violência policial – entre elas a agressão ao produtor negro Michel Zecler em 21 de novembro.

“Não concordo com o fato que exista um divórcio entre a polícia e sua população”, declarou Darmanin. “Essa relação não precisa ser reestabelecida, mas é preciso entender as dificuldades vividas pelos policiais e entender também como a população espera, hoje, que seja feito o exercício dessa força legítima”, acrescentou.

O ministro francês reafirmou que os atos cometidos pelos policiais contra o produtor musical Michel Zecler eram “inqualificáveis”, dizendo que “não suportaria” que a polícia e os militares caíssem em descrédito. “Por que esses atos”, continuou Darmanin, “são, sem dúvida, comportamentos individuais, e que talvez, estejam relacionados a problemas estruturais, que não datam de hoje.”

Segundo ele, “é preciso dar à polícia da República e às forças militares os meios para o trabalho exemplar que é exigido deles”, enumerando o que chamou de “sete pecados capitais” que pesam sobre os policiais e militares.

Ele citou a formação insuficiente, poucos chefes em nível intermediário e em contato direto com os agentes que atuam nas ruas, problemas materiais, a falta de uma atuação mais preponderante da Corregedoria e poucos policiais na reserva. Para cada um desses pontos, Darmanin prometeu melhoria.

Policiais são indiciados

Quatro policiais foram indiciados e dois deles detidos após o espancamento do produtor musical negro em Paris. O juiz de instrução acusou três dos quatro policiais de “violência voluntária por parte de autoridade pública” e de “fraude de  documento público”, como solicitou o Ministério Público de Paris.

Os acusados são os três policiais que aparecem em um vídeo divulgado na quinta-feira e que foi gravado pelas câmeras de segurança do estúdio musical: as imagens mostram os agentes agredindo violentamente o produtor Michel Zecler, um ato qualificado de “vergonhoso” pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

Macron convocou nesta segunda-feira o gabinete de ministros e líderes parlamentares para uma reunião de crise com o objetivo de reunir “sugestões para restabelecer a confiança” entre a polícia e a população. Após a reunião os líderes dos partidos pró-Executivo na Assembleia anunciaram que o projeto de lei sobre a segurança global será reavaliado e o artigo 24, que pune a divulgação de imagens de policiais em ação, reformulado.

Noticiário Francês 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui