O ex-presidente Lula publicou, em sua conta no Twitter, críticas à possível chapa presidencial entre Sergio Moro e Luciano HuckSérgio Lima/Poder360 – 24.abr.2017

O ex-presidente Lula (PT) ironizou a aproximação entre o apresentador de TV Luciano Huck e o ex-ministro da Justiça Sergio Moro para uma aliança visando as eleições presidenciais de 2022.

O petista publicou neste domingo (8.nov.2020), em sua conta no Twitter, duas mensagens críticas à possibilidade de união entre Huck e Moro, revelada pelo jornal Folha de S. Paulo.

“Agora tentam preparar uma chapa Huck/Moro… Cada hora inventam uma coisa. A única coisa que eles não admitem voltar é o PT e o Brasil da inclusão social”, escreveu.

O ex-presidente voltou a citar o habeas corpus pedido pela sua defesa, que busca anular a condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP).

“Basta ver meu habeas corpus que está há dois anos esperando julgamento. Porque politicamente pra eles não é conveniente”, disse.

“A essa altura todo mundo já deveria ter entendido que minha prisão não teve nada a ver com um processo jurídico… Nunca entendi aquilo como uma prisão, sempre soube que era um interdito pra que eu não fosse candidato. Pra impedir o povo de me eleger presidente”, publicou.

ENCONTRO ENTRE HUCK E MORO

De acordo com informações publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo, Moro e Huck tiveram um encontro na casa do ex-juiz no dia 30 de outubro. O convite teria partido de Moro. No jantar, foram debatidos os pilares da candidatura hipotética. Seriam 3:

  • Liberalismo econômico;
  • Combate à corrupção;
  • Redução das desigualdades.

Não ficou definido, segundo o jornal, quem seria o cabeça de chapa e quem ocuparia a vice. Essa definição teria ficado para o ano que vem, dada a distância atual para as eleições de 2022.

Ainda não está claro por qual -ou quais- partidos a dupla concorreria. Huck tem proximidade com o Cidadania. Moro, com o Podemos.

Caso a construção dê certo, a chapa seria uma alternativa de centro e centro-direita à polarização entre Jair Bolsonaro e a esquerda, que dominou a campanha vencida pelo atual presidente em 2018.

No campo da esquerda, teria como rival uma candidatura petista e Ciro Gomes (PDT), que deve concorrer novamente.

Moro foi ministro da Justiça de Bolsonaro até abril deste ano, quando pediu demissão alegando interferência política na Polícia Federal.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui