Os candidatos à vice-presidência americana, o republicano Mike Pence e a democrata Kamala Harris, discordaram nesta quarta-feira sobre a gestão da pandemia do coronavírus no único debate entre vices desta campanha presidencial nos EUA. 
© Justin Sullivan/Pool via AP/ Fotomontagem RFI

O desempenho do republicano Mike Pence e da democrata Kamala Harris no único debate entre candidatos à vice-presidência dos Estados Unidos foi morno, em comparação com o confronto agressivo entre Donald Trump e Joe Biden em 6 de outubro. Para a audiência que acompanhou o duelo pelas redes sociais, na noite de quarta-feira (7), o momento de maior destaque foi quando uma mosca pousou na cabeça Pence e ali ficou por cerca de dois minutos. A cena foi imortalizada em memes nas redes sociais, com o hashtag #flygate, já popular no Twitter.

Pence e Harris dividiram o palco da Universidade de Utah, em Salt Lake City, separados por painéis de acrílico como medida de precaução contra o coronavírus. A moderadora Susan Page, do diário USA Today, deu início ao debate perguntando se os vices tinham discutido com seus respectivos candidatos à presidência sobre suas idades avançadas e a possibilidade de não poderem concluir o mandato. Mas nenhum dos dois pretendentes ofereceu uma resposta satisfatória a essa interrogação. De maneira geral, Pence e Harris falharam em dar respostas diretas à maioria das questões.

Devido à idade avançada de Trump, 74 anos, e Biden, 78 anos, o vice pode ter de assumir o controle da Casa Branca no decorrer do próximo mandato presidencial. Pence, 61 anos, e Harris, 54 anos, ainda têm bastante tempo pela frente no cenário político e ambições para a disputa de 2024.

Como era esperado, a epidemia de coronavírus foi abordada no encontro, principalmente após a contaminação de Trump e a disparada de Biden nas pesquisas de intenção de voto. Harris acusou o governo republicano de ter feito um péssimo trabalho ao lidar com a pandemia, causando a morte de mais de 210 mil americanos. A candidata democrata também disse que não confiava em uma vacina promovida por Trump. Isso fez com que Pence reafirmasse que uma vacina deve estar logo disponível. O vice-presidente também pediu que Harris não arriscasse a vida das pessoas para fins políticos ao levantar suspeitas sobre a segurança da possível vacina.

A China também teve destaque no debate. Pence acusou Biden de torcer pelo gigante asiático a e Harris revidou dizendo que a guerra comercial iniciada por Trump tinha causado uma recessão no setor manufatureiro, prejudicando os trabalhadores americanos.

A questão do aborto foi discutida, especialmente levando em conta que Trump acaba de nomear a juíza católica conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte. Pence não escondeu que é contra o aborto, ao passo que Harris reafirmou que acredita no direito da mulher decidir quanto à própria gravidez.

Os dois candidatos se posicionaram ainda sobre mudanças climáticas e justiça social, mas evitaram fazer declarações radicais, provavelmente com medo de assustar o eleitor de centro. Para a surpresa de muitos eleitores, a questão da imigração não foi abordada, apesar dos dois partidos estarem disputando o voto hispânico, que até alguns anos atrás tinham como garantido.

Pence no ataque, Harris na defensiva

Pence foi ao debate com a missão de provar que Harris era da extrema esquerda e assustar os eleitores que, apesar de não gostarem de Trump, não querem transformar radicalmente a sociedade americana. O atual vice afirmou que a democrata era a senadora mais progressista do Congresso americano. Mas Pence não parece ter tido sucesso. Harris assumiu uma postura bem mais contida do que a que apresentou nos debates das primárias democratas, quando se posicionou a favor de confiscar armas, oferecer assistência à saúde gratuita até para imigrantes ilegais e permitir que mesmo prisioneiros por crimes violentos votem nas eleições. Talvez, justamente por isso, a campanha da senadora tenha fracassado já no início das primárias do seu partido.

A liderança democrata, no entanto, quer manter o apoio da ala progressista do partido, liderada principalmente por Alexandria Ocasio-Cortez, jovem de Nova York e membro da Câmara dos Representantes. Apesar de Pence não ter conseguido pintar sua rival como uma progressista radical, ele pode ter causado um certo dano ao apoio da ala mais liberal dos democratas quando pressionou a senadora sobre fraturamento hidráulico – também conhecido como “fracking”.

Essa técnica consiste em injetar um líquido pressurizado para provocar a fissura de uma rocha. O método permite recuperar petróleo ou gás em substratos muito densos, onde um poço convencional não seria rentável.

Harris reverteu sua oposição dizendo que não é contra o fraturamento hidráulico. Imediatamente, Ocasio-Cortez, que é autora do Green New Deal, o audacioso plano democrata para lidar com a mudança climática, tuitou sua desaprovação ao posicionamento da candidata a vice.

Batalha da Suprema Corte

Outro tema importante para essa eleição é a possibilidade de um governo democrata tentar aumentar o número de juízes da Suprema Corte – que, desde 1869, são nove – com a intenção de que a mais alta instância da justiça americana tenha uma maioria liberal. Pence pressionou Harris sobre esse plano, mas ela evitou dar uma resposta direta. Como Biden e Harris estão na frente na corrida, a senadora optou por ficar mais na defensiva, enquanto Pence focou no ataque.

É pouco provável que o debate vice-presidencial tenha um impacto significativo sobre a decisão dos eleitores em 3 de novembro. Cerca de cinco milhões de eleitores, inclusive, já votaram antecipadamente. Agora, a esperança dos republicanos é que Trump consiga virar o jogo com o debate presidencial que acontecerá em 15 de outubro e que, provavelmente, não terá nada de morno.

Noticiário Francês 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui