Continua depois da publicidade

Foto: Paraibaonline

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), em sessão realizada nesta segunda-feira (25), decidiu por devolver ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) mais um dos processos da Operação Calvário, que investigou um esquema de corrupção na administração estadual da Paraíba na gestão do então governador Ricardo Coutinho.

Os autos do Procedimento Investigatório Criminal haviam sido enviados à Justiça Eleitoral, para fins de análise de competência, em janeiro deste ano por determinação do Superior Tribunal de Justiça.

A remessa dos autos para a Justiça Eleitoral abrange todos os feitos que digam respeito ao Procedimento Investigatório Criminal conduzido pelo desembargador Ricardo Vital, inclusive os que tramitam em segredo de justiça, os quais deverão assim permanecer até decisão da Corte Especializada quanto à sua competência.

Também nesta segunda-feira ( 25), após os pedidos de averbação de suspeição de 6 juízes, o juiz Eslu Eloy Filho da 7ª Vara Criminal, acatou o processo relativo à 22ª denúncia contra o ex-governador Ricardo Coutinho e mais dez pessoas, suspeitas de integrarem organização criminosa investigada pelo Ministério Público da Paraíba em parceria com o GAECO.

A denúncia envolve ainda o lobista Daniel Gomes da Silva, Livânia Farias (Administração), Cláudia Veras e Waldson de Souza (Saúde), Leandro Nunes, Saulo Avelar Esteves e Milton Pacífico José Araújo (ex-superintendentes do Trauma e representantes da Cruz Vermelha), Saulo Pereira Fernandes, Samuel de Sousa Santiago e Michelle Louzada ( ex-secretária de Daniel Gomes).

A denúncia oferecida pelo Ministério Público estadual no bojo da Operação Calvário envolve ao todo 35 investigados, atribuindo a eles a participação em organização criminosa, nos moldes insculpidos no artigo 2º da Lei nº 12.850/13.

As investigações apontaram o enriquecimento ilícito de autoridades políticas (capitaneadas pelo ex-governador da Paraíba, Ricardo Vieira Coutinho), servidores públicos outros e agentes do setor privado (empresários, operadores financeiros, advogados), às custas de dinheiro público desviado criminosamente.

Paraíba Online

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui