(crédito: Fiocruz/Divulgação)

Após uma sucessão de impasses para importação, o primeiro lote de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da Covishield, conhecida popularmente como a vacina de Oxford/AstraZeneca, chegou ao Brasil, no fim de tarde deste sábado (6/2). Os aproximadamente 9 litros do insumo, vindos de Xangai, na China, serão suficientes para produzir 2,8 milhões de doses, que só devem começar a ser disponibilizadas à população em meados de março.

O material já está no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pela Covishield no Brasil.

A partir de quarta-feira (10/2), o IFA começará a passar pela fase de descongelamento para, dois dias depois, ser formulado o lote de pré-validação. O produto passará, ainda, pelas etapas de envase, rotulagem, embalagem, revisão e controle de qualidade para, em 18 de fevereiro, ser liberado internamente para aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Serão necessárias, ainda, mais duas etapas de validação. Com todo processo cumprido e recebido o aval da Anvisa para aplicação na população, a Fiocruz estima entregar o primeiro um milhão de doses da vacina entre 15 e 19 de março ao Ministério da Saúde. Ao longo do mês, a ideia é liberar outros 14 milhões de doses elaborados a partir de de outras duas remessas de IFA, esperadas para ocorrerem em 23 e 28 de fevereiro.

A Fiocruz já entrou com pedido de registro da vacina junto à Anvisa e, atualmente, 50% da análise está concluída. A previsão é de entregar 100,4 milhões de doses no primeiro semestre, a partir da importação do IFA, e outros 110 milhões de unidades produzidas inteiramente no Brasil no segundo semestre.

Correio Braziliense 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui