Inflação dos mais pobres é maior que a dos mais ricos em setembro, diz Ipea


Mais da metade dos que cursaram ensino superior usa meios digitais como principais maneiras para se informar. Rádio tem maior proporção de escolha entre os que têm 60 anos ou maisUnsplash/@tfrants

Os mais ricos e escolarizados preferem consumir informação por meio de veículos jornalísticos na internet. Os resultados são de pesquisa PoderData realizada de 12 a 14 de outubro.

O levantamento mostra que mais da metade dos que cursaram ensino superior (57%), por exemplo, usa sites de notícias on-line como principais maneiras para se informar. Esse percentual chega a 63% no grupo dos que recebem de 5 a 10 salários mínimos. Entre os que ganham mais de 10 salários mínimos, é de 60%.

Os tradicionais TV e rádio foram citados em maior proporção pelos mais velhos. Dos que têm 60 anos ou mais, 54% usam 1 desses meios.

O infográfico acima também indica que os mais jovens, de 16 a 24 anos, não têm costume de consumir informação via rádio. No grupo, 28% disseram ler jornais impressos e revistas, enquanto 13% citaram a televisão.

Já quando considera-se as regiões, mais da metade dos moradores do Centro-Oeste e Norte usam veículos digitais como principais meios para se informar.

A pesquisa foi realizada pelo PoderDatadivisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 12 a 14 de outubro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 503 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Na média geral, com a junção proporcional de todos os recortes, o PoderData mostra que 41% dos entrevistados dizem usar veículos jornalísticos na internet como principais meios para se informar.

Redes sociais foram escolhidas por 16% dos entrevistados. Jornais impressos e revistas, por 13%. TV e rádio foram citados por 27%

MEIOS DE SE INFORMAR X AVALIAÇÃO DE BOLSONARO

PoderData cruzou os dados sobre a maneira com que os brasileiros se informam com os de avaliação do trabalho do presidente da República.

Os mais críticos ao chefe do Executivo (que o avaliam como “ruim” ou “péssimo“) preferem se informar por meio de veículos digitais de informação. Quase metade desse grupo fez essa afirmação (49%).

Já entre os que acham o trabalho de Bolsonaro “ótimo” ou “bom”, 22% disseram que as redes sociais são seus principais meios de se informar. O percentual é maior do que a média geral.

CONFIANÇA NA IMPRENSA

PoderData também mostrou que a maioria dos brasileiros (61%) tem algum nível de desconfiança em relação ao trabalho realizado pela imprensa brasileira. O grupo considera as notícias publicadas nos veículos de comunicação como “mais ou menos confiáveis”. Apenas 16% da população avalia o noticiário como “muito confiável”, número que fica em empate (dentro da margem de erro de 2 pontos da pesquisa) com os 17% que dizem que a mídia é “pouco confiável”.

Entre os apoiadores do presidente a desconfiança é maior: são 34% os que consideram a mídia “pouco” ou “nem 1 pouco confiável”. A confiança na imprensa é maior entre aqueles que consideram Bolsonaro “ruim” ou “péssimo”. São 85% desse grupo que enxergam a mídia como “mais ou menos” ou “muito confiáveis”.

Poder360

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *