A OMS e a Agência Europeia de Medicamentos afirmam não existir relação direta entre vacina e problemas de coagulação

 

A Holanda decidiu nesta sexta-feira, 2, que pessoas com menos de 60 anos não deverão receber a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. A mesma medida já tinha sido tomada pela Alemanha na terça-feira, 30. Antes disso, na segunda-feira, 29, o Canadá adotou 55 anos como idade mínima para aplicação do imunizante. A justificativa dos três países são os problemas de coagulação que estão aparecendo em pessoas que receberam a vacina há pouco tempo. A Holanda informou que recebeu cinco relatos de mulheres de 25 a 65 anos que desenvolveram trombose após serem vacinadas no país, sendo que uma delas morreu de embolia pulmonar extensa dez dias após receber o imunizante da AstraZeneca.

Na Alemanha, foram 31 casos de trombose e nove vítimas fatais, sendo dois homens de 36 e 57 anos e sete mulheres com idades entre 20 e 63 anos. O Canadá, por sua vez, não registrou nenhum caso de problemas de coagulação do sangue após aplicação da vacina de Oxford, mas se mostrou preocupada com a recorrência em outros países.

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido se posicionou a favor da manutenção do uso do imunizante da AstraZeneca nesta sexta-feira, 4, apesar de ter identificado 30 casos de coágulos sanguíneos. O órgão justificou que os riscos são “muito pequenos”, visto que 18,1 milhões de pessoas receberam a vacina no país. “A decisão de risco e benefício que as pessoas tem quando convidadas a receber a vacina é simples: receber a vacina é de longe a opção mais segura”, garantiu Adam Finn, integrante do Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização.

Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também já tinham se posicionado sobre o assunto nos dias 17 e 18 de março, respectivamente, afirmando não existir uma ligação direta entre a vacina e os casos de trombose reportados em diversos países. No entanto, a insistência de algumas nações fez com que a EMA anunciasse estar investigando o assunto novamente. Já o Canadá pediu que a própria AstraZeneca realizasse um estudo específico sobre possíveis efeitos colaterais dentro do contexto do seu território.

Jovem Pan 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui