Forças rebeldes atacaram a capital da República Centro-Africana na madrugada de hoje (13), mas foram repelidas pelos corpos de segurança do presidente Faustin-Archange Touadéra e pelas tropas de paz da ONU, informaram as autoridades do país.

Com auxílio de tropas recém-chegadas de Ruanda, o Exército da República Centro-Africana vêm lutando contra grupos que tentam anular a votação ocorrida em 27 de dezembro, na qual Touadéra foi declarado vencedor, apesar das denuncias de fraude.

Os agressores que chegaram em grande número para tomar Bangui foram repelidos com vigor”, disse o primeiro-ministro Firmin Ngrebada em uma publicação nas redes sociais.

Nas primeiras horas da manhã, assistimos a uma tentativa dos agressores de entrar em Bangui por várias frentes, concretamente na saída Norte para PK 12 e Pk 9. Os agressores foram repelidos com vigor, e as varreduras estão em andamento.

Segundo a agência Reuters, uma testemunha revelou ter ouvido explosões e, mais tarde, viu helicópteros sobrevoando a região, despois que os rebeldes atacaram vários pontos do subúrbio da capital, incluindo o norte da cidade.

A missão de manutenção da paz das Nações Unidas, cujo efetivo é de 10 mil pessoas, disse que um de seus soldados tinha morrido.

Uma fonte da ONU disse, segundo a Reuters, que cerca de 200 rebeldes participaram do ataque e permaneciam nos arredores da cidade. Anteriormente, os agressores realizaram ataques contra localidades próximas da capital da ex-colônia francesa.

A Reuters informou que os rebeldes tentaram tomar um posto policial no distrito de PK12, no norte da cidade, antes de serem repelidos, segundo a fonte das Nações Unidas, que acrescentou que três soldados da República Centro-Africana ficaram feridos.

As Nações Unidas afirmam que o ex-presidente François Bozizé está apoiando os rebeldes, mas o antigo chefe de Estado não emitiu qualquer posicionamento a respeito.

O país africano é rico em reservas de ouro e diamantes, e conta com uma população de aproximadamente 4,7 milhões de habitantes. Desde que Bozizé foi derrubado em 2013, a República Centro-Africana vem registrando surtos constantes de violência. O último episódio violento obrigou mais de 30.000 pessoas a buscarem refúgio em países vizinhos, e também provocou escassez de alimentos e aumento nos preços.

Sputnik 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui