Foto: Paraibaonline

A Feira Agroecológica da cidade de Lagoa Seca acontece no Mercado Público, todos os sábados, a partir das 4h e vai até as 10h com uma grande variedade de produtos livres de agrotóxicos e, em alguns casos, plantados e colhidos pelos próprios feirantes.

Alguns comerciantes concederam entrevista à Rádio Caturité FM e revelaram o apreço pela feira, que leva qualidade e saúde para a mesa dos consumidores.

A feirante Marlene disse que é uma das fundadoras da feira e comercializa produtos desde 2000 no local. Ela disse que as pessoas têm respeitado o distanciamento social e chegado mais cedo para escolher seus produtos durante este período de pandemia.

De acordo com Marlene, os produtos que são vendidos na feira trazem qualidade de vida, imunidade e têm preço acessível para todos os bolsos.

– A feira agroecológica traz saúde e vida. Como são produtos que nós plantamos, os nossos produtos estão disponíveis para as classes altas e baixas. São produtos que todo mundo pode consumir – disse.

Antônio Rodrigues de Araújo tem 72 anos e começou a plantar verduras aos seis anos de idade. Ele revelou que esteve em diversos estados, como Brasília, Piauí e Fortaleza, para participar de seminários concedendo entrevistas sobre a variedade de suas verduras, especialmente o alface.

– Meus alfaces são orgânicos, nunca coloquei veneno. A alface americana tem saído melhor, tem a crespa, tem todas elas. Entrego em casas de famílias há 18 anos – disse.

Foto: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

Ele frisou que sempre convida seus clientes para que visitem a sua produção, para que atestem que é orgânica e livre de qualquer tipo de agrotóxico.

Luciene Melo trabalha na Feira há cerca de quatro anos comercializando produtos como goma de tapioca e côco ralado. Ela destacou que trabalha com o esposo e possui muito apreço pela feira e pelos clientes fiéis.

– Não temos produtos químicos. A goma é brejeira e o côco também é ótimo. Só por conta dessa doença que diminuiu um pouco o movimento da feira – citou.

Foto: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

Igor Lima trabalha há cerca de cinco anos na Feira de Lagoa Seca vendendo frutas em geral, como uva, maçã, caju, acerola e goiaba. Ele explicou que, por conta da pandemia, alguns preços precisaram ser ajustados, mas a procura dos clientes continua.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui