O papa homenageou os milhares de profissionais da saúde, que permanecem mobilizados nos hospitais para salvar doentes do coronavírus neste domingo de Páscoa. 
AP – Filippo Monteforte

Milhões de pessoas no mundo todo celebram a Páscoa neste domingo (4), uma das comemorações mais importantes para os cristãos e abalada, pelo segundo ano consecutivo, pela pandemia de coronavírus. Mais uma vez sem público na Basílica São Pedro, o papa Francisco pediu à comunidade internacional para compartilhar as vacinas contra a Covid-19 com os países pobres.

“No espírito de internacionalismo das vacinas, eu exorto toda a comunidade internacional a se comprometer para superar os atrasos na distribuição e favorecer o compartilhamento, em particular com os países mais pobres”, declarou o papa em sua homilia.

Por conta das restrições sanitárias, apenas algumas dezenas de religiosos e fiéis foram autorizados a participar da celebração. Na bênção Urbi e Orbi, ele ressaltou que as vacinas “constituem um instrumento essencial na luta” contra a pandemia e seus efeitos econômicos. Francisco tem sido um árduo defensor da imunização em massa e contra o “negacionismo suicidário” dos que se recusam a se proteger, afirmou em janeiro.

Homenagem aos profissionais da saúde

O pontífice também homenageou os milhares de profissionais da saúde, que permanecem mobilizados nos hospitais para salvar doentes do coronavírus neste domingo de Páscoa. “Que o Senhor lhes reconforte e apoie os esforços dos médicos e enfermeiros”, disse, estendendo a bênção aos doentes e àqueles que perderam alguém para a doença que já matou mais de 2,8 milhões de pessoas no mundo.

O papa pediu ainda que os governos providenciem “ajuda necessária para uma subsistência suficiente às famílias mais necessitadas” neste período de pandemia, e demonstrou preocupação com as crianças e jovens privados de escola.

“Nós todos precisamos viver relações humanas reais e não apenas virtuais, particularmente na idade em que se formam o caráter e a personalidade”, afirmou.  O papa também voltou a pedir a reabertura dos locais de culto e de religião, apesar dos riscos de contaminação nos ambientes fechados.

Por conta das restrições sanitárias, apenas algumas dezenas de religiosos e fiéis foram autorizados a participar da celebração.
Por conta das restrições sanitárias, apenas algumas dezenas de religiosos e fiéis foram autorizados a participar da celebração. AP – Filippo Monteforte

Guerras e corrida armamentista são “escandalosas”

Francisco lembrou ainda os conflitos armados que permanecem pelo planeta, apesar da Covid-19. Ele citou Mianmar, Haiti, Síria, Ucrânia e Sahel, entre outros, e julgou “escandaloso” que as guerras e a corrida aos armamentos continuem no contexto sanitário atual. Mencionou ainda o Iêmen, “envolto por um silêncio ensurdecedor e escandaloso”.

“Como um mundo sem esses instrumentos de morte seria melhor”, frisou. “Que o Senhor, nossa paz, nos ajude a vencer a mentalidade da guerra”, sublinhou o papa.

Com informações da AFP e Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui