O desemprego aumentou em 12 estados brasileiros e se manteve estável nos demais no primeiro trimestre de 2020, de acordo com a PNAD Contínua Trimestral (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral), divulgada nesta sexta-feira (15) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

As maiores altas no desemprego foram no Maranhão (3,9 pontos percentuais, com taxa de 16,1%), Alagoas (2,9 p.p., com taxa de 16,5%) e Rio Grande do Norte (2,7 p.p., com taxa de 15,4%).

As maiores taxas foram observadas na Bahia (18,7%), Amapá (17,2%), Alagoas e Roraima (16,5%) e as menores em Santa Catarina (5,7%), Mato Grosso do Sul (7,6%) e Paraná (7,9%).

O país tinha 12,9 milhões de desempregados de janeiro a março deste ano, com taxa de 12,2%. A taxa de desemprego é maior entre as mulheres (14,5%) do que homens (10,4%) e entre pretos (15,2%) e pardos (14%) do que brancos (9,8%).

A analista da pesquisa, Adriana Beringuy, não garante que as medidas de isolamento social, provocadas pela pandemia da covid-19 refletiram na taxa de desemprego do trimestre fechado em março.

“Grande parte do trimestre ainda está fora desse cenário. Não posso ponderar se o impacto da pandemia foi grande ou pequeno, até porque falamos de um trimestre com movimentos sazonais, mas de fato para algumas atividades ele foi mais intenso”, afirmou Adriana.

R7.com  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui