O ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, em evento no Palácio do Planalto; nesta 6ª feira, falou a jornalistasSérgio Lima/Poder360- 19.out.2020

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, anunciou nesta 6ª feira (26.mar.2021) que foi protocolado na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido de autorização para testes clínicos em humanos da vacina brasileira Versamune-CoV-2FC contra a covid-19. O ministério divulgou um comunicado (íntegra – 676 KB) a jornalistas com informações sobre o imunizante.

A vacina, segundo o governo, é financiada pelo MCTI e partiu da pesquisa coordenada pelo professor Célio Lopes Silva, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em parceria com a empresa brasileira Farmacore Biotecnologia e a PDS Biotechnology Corporation.

Segundo o ministro, a empresa apresentou à Anvisa dados pré-clínicos de testes já realizados em roedores e solicitou na 5ª feira (25.mar) os testes em humanos.

Já temos recursos para financiar testes pré-clínicos com 360 pessoas. Nessa fase, são feitos para testar a segurança da vacina. Logo depois, entram testes clínicos de fase 3 com 20, 30 mil pessoas para testar eficácia“, disse Pontes a jornalistas no Palácio do Planalto. O anúncio foi feito ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O MCTI afirma ter garantidos R$ 200 milhões no Orçamento para o financiamento de estudos clínicos de vacinas brasileiras.

BUTANVAC

O Instituto Butantan anunciou na manhã desta 6ª feira, horas antes do anúncio do governo federal, que também desenvolveu uma vacina contra a covid-19, a ButanVac. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, falaram com jornalistas.

Perguntado se o anúncio da Versamune foi uma estratégia do governo Bolsonaro frente ao anúncio de Doria, Pontes disse que “uma coisa nada tem a ver com a outra”

Temos trabalhado nisso, anunciado a sequência de trabalho com vacinas nacionais já por bastante tempo. Eu estava na expectativa de anunciar o mais rápido possível. Minha previsão era fazer isso assim que eles entrassem [com o pedido de testes na Anvisa]”, disse no Planalto.

Dentro do governo, a estratégia é contestar a informação de que a Butanvac é a 1ª vacina brasileira contra a covid-19. A iniciativa do MCTI foi protocolada na 5ª feira (25.mar) na Anvisa, antes que a do Butantan. A agência confirmou o pedido em nota divulgada à imprensa (leia abaixo). Interlocutores do governo também dirão que as datas e os recursos divulgados pelo governo paulista não são factíveis.

A ButanVac foi produzida inteiramente por cientistas do instituto. As etapas em laboratório também foram concluídas e agora será pedida à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a autorização para testes em humanos, o mesmo tipo de pedido que a empresa da Versamune fez. O pedido deve ser feito ainda nesta 6ª feira (26.mar) para o início dos testes das fases 1 e 2.

Os resultados dos testes pré-clínicos se mostraram extremamente promissores, o que nos permite evoluir para os testes em voluntários já agora, no próximo mês de abril, desde que a Anvisa autorize”, disse Doria. “Essa é uma dose de esperança para o Brasil“, afirmou.

Eis a nota divulgada pela Anvisa nesta 6ª feira:

“A Anvisa recebeu o pedido para realização de estudo fase 1 e 2 da vacina Versamune®️-CoV-2FC. Trata-se de uma vacina desenvolvida numa parceria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP, a empresa Farmacore e PDS Biotechnology, dos Estados Unidos. Segundo os procedimentos da Anvisa, a análise considerará a proposta do estudo, o número de participantes e os dados de segurança obtidos até o momento nos estudos pré-clínicos que são realizados em laboratório e animais”.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui