Gigante tech Huawei é uma das protagonistas de guerra comercial entre chineses e norte-americanosReprodução/Flickr – Kārlis Dambrāns

Por conta do alinhamento ideológico entre os presidentes Jair Bolsonaro (Brasil) e Donald Trump (EUA), a chinesa Huawei pode ficar de fora do fornecimento de equipamentos para as redes de 5G no Brasil. Segundo Sun Baocheng, CEO no Brasil da  companhia chinesa de telecomunicações, o banimento faria com que os brasileiros pagassem mais caro pela tecnologia.

China e EUA travam uma disputa global em diversos setores, entre eles o tecnológico. Em entrevista publicada nesta 2ª feira (19.out.2020) pelo jornal Folha de S.Paulo, Baocheng analisa que uma possível proibição às operadoras usarem a rede da Huawei na transição do 4G para o 5G tem 3 pontos negativos.

“O 1º é que vai demorar a transformação digital do Brasil. O 2º é que vai aumentar os custos dos operadores e o 3º é que os custos dos operadores vão ser transferidos para os consumidores”, explica.

Segundo Baocheng, o Brasil demoraria até 4 anos para iniciar a transição para o 5G sem a Huawei. Ele lembra que, atualmente, “tem muito equipamento da Huawei nas redes do Brasil”. Se a empresa for banida, as operadoras teriam de trocar todos os equipamentos, fazendo com que a tecnologia se tornasse mais cara e a transição, mais lenta.

Perguntado sobre como a Huawei está lidando com a possibilidade de restrição ou banimento, Baocheng respondeu que está mantendo “contato e conversas com as agências vinculadas ao governo”.

Sempre respeitamos a lei e os regulamentos no país, incluindo aqueles sobre proteção de dados e da privacidade”, diz. “Desde a privatização, o mercado sempre foi livre, justo, sem discriminação. Acredito que o governo vai fazer a opção correta.”

Para ele, “1 mercado livre sem discriminação não é só importante para a Huawei, mas também para outras empresas estrangeiras. Por isso há tantas empresas com vontade de investir no Brasil”.

Sobre uma pressão norte-americana para que países aliados dos EUA deixem a Huawei de fora de suas redes 5G, o executivo disse que “os EUA são 1 país muito prático”. “No passado, tentaram ganhar da Alstom, atacaram a brasileira Engesa, e agora estão tentando com a Huawei”, afirma.

O Brasil não deve escolher os EUA, nem escolher a China. Tem de escolher o caminho de 1 mercado sem discriminação, livre e justo, porque isso vai beneficiar o país e o povo”, afirma Baocheng.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui