O projeto, promovido pelo Parlamento chinês na quinta-feira, autorizaria um “comitê eleitoral” subordinado a Pequim a selecionar candidatos para as eleições legislativas no território autônomo.
 AP – Ng Han Guan

O governo chinês justificou nesta sexta-feira (12) a necessidade de impor uma reforma eleitoral em Hong Kong. A China afirma que não fará “nenhuma concessão” em seu projeto de reforma eleitoral, após críticas do Ocidente, que acusa Pequim de querer “sufocar” a democracia em Hong Kong.

Para a China, a reforma eleitoral é um segundo “golpe” depois da lei de segurança nacional que acabou com o “caos” do ano passado na ex-colônia britânica.

O projeto, apresentado pelo Parlamento chinês na quinta-feira, autorizaria um “comitê eleitoral” subordinado a Pequim a selecionar candidatos para as eleições legislativas no território autônomo.

Esse dispositivo permitiria à China descartar candidatos favoráveis à oposição pró-democracia, que venceu por maioria nas eleições em 2019, ao eleger vereadores distritais.

Em uma coletiva de imprensa, Zhang Xiaoming, um alto funcionário do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau do governo chinês, justificou a lei por conta do “caos” que, segundo ele, dominou a metrópole financeira durante as manifestações em massa contra o Executivo pró-Pequim, em 2019.

Lei de segurança nacional

O projeto de lei e a adoção, no ano passado, de uma lei de segurança nacional que reprimiu os protestos são “uma série de golpes com o objetivo de deter o caos” em Hong Kong, disse Zhang.

Ele rejeitou as críticas de Londres, Bruxelas e Washington e garantiu que Pequim não fará concessões a forças estrangeiras que desejam desestabilizar Hong Kong. “É uma luta contra as tentativas de tomada de poder, subversão e infiltração. Nessas questões, não vamos abrir mão de nada”, insistiu.

As próximas eleições legislativas em Hong Kong, previstas para setembro, podem ser adiadas devido a mudanças exigidas por Pequim, sugeriu no iníício da semana a chefe do Executivo, Carrie Lam.

A votação já havia sido adiada por um ano em setembro passado devido à pandemia.

(Com informações da AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui