Ao falar com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro também voltou a disparar ataques contra o presidente da CPIImagem: Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atacou o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso que, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, suspendeu por seis meses o despejo de moradores em todo o país. O presidente também voltou a dizer que será o “último a ser vacinado”.

“O ministro Barroso aceitou agora uma petição do PSOL. Olha só a que ponto chegamos, né? De modo que quem invadiu terra ou está ocupando imóvel desde antes da Covid, pode ficar mais seis meses numa boa, tranquilo. É o fim da propriedade privada”, afirmou.

Ao criticar a decisão do ministro, Bolsonaro expandiu as acusações à Justiça, onde o PSOL teria “seus simpatizantes”.

“O cara ocupa, não paga mais aluguel e o ministro Barroso acha que está certo. Como PSOL não consegue nada na Câmara, vai à Justiça onde encontra seus simpatizantes. Lamentável a decisão do Barroso”, disse.

A decisão do ministro do Supremo, que atendeu parte de um pedido do PSOL, foi tomada na última quinta-feira (03).

Questionado sobre a realização da Copa América no Brasil em meio ao agravamento da crise sanitária com o possível início da terceira onda, o mandatário enfatizou que o Japão promoverá as Olimpíadas. “Só que Copa América aqui não pode”, lamentou.

Ao falar com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro também voltou a disparar ataques contra o presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), e senador Eduardo Braga (MDB-AM).

“Nós estamos tendo um problema em Manaus. Acabou falecendo um chefe do tráfico e o pessoal está reagindo a isso aí. Eu queria saber onde estão os senadores. Eles não são do Amazonas, não cuidam do interesse do estado?”, afirmou. Porém Aziz já havia se manifestado ontem sobre o assunto.

Uol

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui