Segundo Bolsonaro, um estudo conclusivo sobre a eficácia da cloroquina pode demorar anos

Em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento para o novo coronavírus. Ele ainda alfinetou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem se mostrado mais relutante em relação ao uso do remédio.

“O médico não abandona o paciente, mas o paciente pode trocar de médico”, afirmou Bolsonaro. Nas últimas semanas, ambos vem se desentendendo em algumas decisões relacionadas à epidemia e, por vezes, Mandetta justificou que não sairia do cargo — mesmo com ameaças de demissões –, pois “um médico não abandona o paciente”.

Segundo Bolsonaro, um estudo conclusivo sobre a eficácia da cloroquina — que até agora tem somente pesquisas incipientes — pode demorar anos. Por isso, a sua recomendação é que seja administrada nos pacientes com Covid-19. “Ao que tudo indica, tem salvado vidas. Tem que usar. É uma chance, uma oportunidade”, disse.

O presidente ressaltou, ainda, que o Brasil tem laboratórios com condições de fabricar “milhões de comprimidos por dia” e que o Conselho Regional de Medicina (CRM) do Amazonas recomendou o medicamento até mesmo para casos mais leves.

Até agora, especialistas alertam que a cloroquina é ministrada somente para pacientes em estado grave. Além disso, ainda não há estudos robustos a respeito dela. O Ministério da Saúde disse que o Conselho Federal de Medicina (CFM) deve se posicionar sobre o tema até o dia 20 de abril. Para Mandetta, “o governo não precisa politizar esse assunto”.

Isolamento

Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) desta quarta de que os estados e municípios têm autonomia para decretar o isolamento, Bolsonaro, que desde o início tem se colocado contra a medida, afirmou que isso “é responsabilidade dos prefeitos e governadores”.

Na live desta noite, ele pediu que as pessoas incomodadas com a quarentena “reclamem” com os chefes dos estados. “Presidente da República não pode entrar nessa área aí”, afirmou.

Bolsonaro até deu indícios de que entraria no assunto do isolamento vertical — onde só ficam reclusas pessoas do grupo de risco –, mas logo declarou que “não queria polemizar”.

Jovem Pan 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui