O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Declarações sobre os caminhoneiros incomodaram o presidente BolsonaroSérgio Lima/Poder360 – 05.jan.2020

O presidente Jair Bolsonaro está decidido a fazer ajustes no comando da Petrobras. Acha que a estatal tem sido conduzida de maneira errática por causa dos sucessivos aumentos no preço de combustíveis. De junho de 2020 à 1ª quinzena de fevereiro, a gasolina ficou 21,7% mais cara —foram 8 altas consecutivas.

Além disso, no entorno de Bolsonaro ganhou corpo a tese de que o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, teria cometido improbidade administrativa ao ter desdenhado os caminhoneiros que reclamam de aumento do preço do diesel.

Em um evento on-line do banco Credit Suisse, em 28 de janeiro de 2021, Castello Branco disse, segundo relato do jornal Valor Econômico“Os caminhoneiros autônomos têm uma frota cuja idade média é de 20,5 anos. São caminhões antigos, altamente consumidores de diesel… O custo do diesel é muito mais alto para eles. O custo de manutenção é evidentemente mais alto. Então trata-se de um problema de excesso de oferta, não se trata de um problema da Petrobras”.

O que irritou Bolsonaro foi a frase não se trata de um problema da Petrobras”. Para o presidente, o chefe de uma estatal não pode dizer tal coisa, pois a empresa está dentro do Estado brasileiro e precisaria se preocupar com o efeito que sua política de preços tem sobre toda a cadeia produtiva.

Essa foi a razão de Bolsonaro ter dito na sua live de 5ª feira (18.fev.2021) que haveria “consequências” na Petrobras. A frase completa do presidente foi esta:

“Você vai em cima da Petrobras, ela fala ‘opa, não é obrigação minha’. Ou como disse o presidente da Petrobras, há questão de poucos dias, né, ‘eu não tenho nada a ver com caminhoneiro, eu aumento o preço aqui, não tenho nada a ver com caminhoneiro’. Foi o que ele falou, o presidente da Petrobras. Isso vai ter uma consequência, obviamente.”

Bolsonaro também disse o seguinte durante a live:

Eu não posso interferir na Petrobras, nem iria interferir na Petrobras. Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias. Você tem que mudar alguma coisa.”

Poder360 apurou que o nível de irritação de Bolsonaro com a direção da Petrobras é muito alto. Castello Branco foi indicação direta do ministro da Economia, Paulo Guedes. Uma queda do presidente da Petrobras seria uma derrota para o ministro.

Assista às declarações na live (1min22s):

IMPOSTO SOBRE DIESEL

Na live, o presidente disse ainda que decidiu zerar por 2 meses, a partir de 1º de março, os impostos federais (PIS e Cofins) que incidem sobre o diesel. Afirmou ainda que vai zerar tributos federais que incidem sobre o gás de cozinha, de forma permanente. A medida vale a partir de 1º de março e visa mitigar o reajuste feito pela Petrobras sobre o combustível.

O litro do diesel nas refinarias acumula alta 27,72% em 2021 e tem irritado os caminhoneiros. Do preço total de cada litro cobrado nas bombas R$ 0,35 são de impostos federais (PIS e Cofins).

“Esta medida é para contrabalancear o aumento excessivo dos combustíveis na Petrobras”, afirmou, ao lado do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

“Nesses 2 meses nós vamos estudar uma maneira definitiva de buscar zerar o imposto para ajudar a contrabalancear esses aumentos, no meu entender excessivo, da Petrobras. Mas eu não posso interferir, nem iria interferir na Petrobras, se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias, você tem que mudar alguma coisa, vai acontecer”, disse.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui