© Provided by Deutsche Welle Presidentes Joe Biden (esq.) e Vladimir Putin têm reunião marcada em Genebra

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assegurou que seu país se colocará ao lado dos aliados europeus contra a Rússia. “Estamos unidos para encarar os desafios da Rússia à segurança europeia, a começar por sua agressão na Ucrânia”, escreveu em artigo de opinião publicado pelo jornal The Washington Post neste sábado (05/06).

Biden acrescentou ter sido “claro e direto” num telefonema anterior com seu homólogo russo, Vladimir Putin: “Os Estados Unidos não procuram conflito. Queremos um relacionamento estável e previsível, em que possamos cooperar com a Rússia em assuntos como estabilidade estratégia e controle armamentista.” No entanto, “Putin sabe que não hesitarei em reagir a futuras atividades danosas”.

Biden tem viagem à Europa marcada para a quarta-feira, onde participará das conferências de cúpula do Grupo dos Sete (G7) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Em 16 de junho terá um encontro pessoal com Putin em Genebra.

“Liderança a partir de posição de força” para EUA

Segundo o chefe de Estado americano, essa visita ao velho continente visa “concretizar o comprometimento renovado da América” com seus aliados e “deter as ameaças desta nova era”. A seu ver, os EUA “devem liderar a partir de uma posição de força”, seja para dar fim à pandemia de covid-19, seja para enfrentar a mudança climática global.

Ao mesmo tempo, porém, ele visivelmente aproveitou o ensejo jornalístico para chamar a atenção para os “desafios” impostos pelos governos chinês e russo, cujas “atividades nocivas” Washington assumirá um papel global para confrontar.

“Vamos nos concentrar em assegurar que as democracias de mercado, não a China ou alguém mais, escrevam as regras do século 21 para o comércio e a tecnologia”, anunciou. Assim, as democracias do mundo devem cooperar no sentido de expor e combater “ataques de ransomware“, “ciberataques” e “vigiliância invasiva através de inteligência artificial”.

Desde que assumiu a presidência dos EUA em janeiro, o político democrata de 78 anos tem aumentado a pressão sobre a Rússia, em contraste com a atitude excessivamente leniente, senão submissa, de seu antecessor republicano, Donald Trump, em relação ao governo de Putin.

av (AFP,DPA)

DW

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui