O presidente Joe Biden recebeu jornalistas na Casa Branca pela 1ª vez desde que assumiu, nesta 5ª (25.mar)Reprodução/Youtube – Casa Branco

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta 5ª feira (25.mar.2021) que quer aplicar 200 milhões de doses da vacina contra a covid-19 até seu 100º dia de governo. A quantidade é o dobro da promessa de campanha do democrata, de 100 milhões de doses –meta atingida no 58º dia de sua administração.

O anúncio foi feito na 1ª entrevista à imprensa que Joe Biden concedeu na Casa Branca desde que assumiu o cargo. O presidente foi alvo de críticas de empresas de mídia pela demora para atender os jornalistas. O democrata levou 64 dias para receber os repórteres pela 1ª vez, enquanto seus antecessores levaram, em média, 33 dias.

“Eu fui eleito para resolver problemas. E o problema mais urgente e mais fundamental que nós tínhamos era a covid-19 e a economia, então coloquei todo meu foco em resolver esses problemas”, justificou-se o democrata.

Biden celebrou a melhora das projeções econômicas para este ano. Na última 4ª feira (17.mar.2021), o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) aumentou a projeção do crescimento do PIB dos EUA em 2021, de 4,2% para 6,5%. A melhora do cenário da pandemia e o avanço da vacinação no país justificam a revisão das projeções.

O democrata também falou de outros problemas a serem resolvidos, como a crise da imigração, a violência armada e as questões climáticas. “Claro que temos outros problemas. Temos armas, imigração e clima, mas teremos tempo para pensar nessas políticas. Primeiramente, vamos resolver o problema fundamental, que é a pandemia, vamos focar em uma coisa de cada vez”, disse.

REELEIÇÃO

Questionado sobre a corrida eleitoral em 2024, Joe Biden confirmou o desejo de concorrer à reeleição. “É a minha expectativa”, afirmou.

O democrata também falou sobre o desejo de ter a atual vice-presidente, Kamala Harris, como companheira de chapa. “Ela está fazendo um ótimo trabalho. Ela é uma ótima parceira”, disse.

CRISE MIGRATÓRIA

O presidente dos Estados Unidos disse que pretende melhorar a situação da crise migratória e citou o aumento no número de pessoas atravessando as fronteiras. “Não posso garantir que vamos resolver tudo, mas posso garantir que vamos melhorar”, disse Biden.

Na última 4ª feira (24.mar.2021), o democrata anunciou que encarregou a vice-presidente Kamala Harris de liderar esforços com México, Guatemala, Honduras e El Salvador para gerenciar o fluxo de crianças desacompanhadas e famílias de imigrantes.

O democrata se comprometeu com a transparência em relação às políticas de imigração e ao acesso da imprensa às instalações e abrigos. “Vou me comprometer quando meu plano, muito em breve, estiver em andamento para permitir que vocês tenham acesso não apenas a eles, mas a outras instalações também”, disse.

“Vou me comprometer com a transparência, e assim que estiver em posição de implementar o que estamos fazendo agora”, acrescentou.

Biden também disse que não pede desculpas por reverter algumas das políticas de imigração de Trump. “Todas as políticas em andamento não estavam ajudando em nada, não diminuíram a quantidade de imigração e tantas pessoas chegando. E reverter as políticas de separação de crianças de suas mães, não peço desculpas por isso”, afirmou.

RELAÇÕES COM A CHINA

Questionado sobre a relação com Pequim, Joe Biden disse que pretende convocar uma “aliança de democracias” para discutir sobre a China. A aliança deve incluir Austrália, Índia, Japão e Estados Unidos. O democrata também afirmou que o presidente da China, Xi Jinping, é um “cara inteligente” que “não tem um osso democrático em seu corpo”.

De acordo com Biden, os EUA e a China seguirão em uma “forte concorrência”. “Mas insistiremos que a China siga as regras internacionais essenciais: concorrência justa, práticas justas, comércio justo”, disse.

Segundo Biden, a estratégia para concorrer com a China será investir em ciência, em pesquisa e em tecnologia nos Estados Unidos.

Biden também afirmou que a China tem como meta ser a principal liderança mundial, “o país mais rico e mais poderoso”“Isso não vai acontecer, no meu ponto de vista. Os Estados Unidos continuarão a crescer”.

O presidente prometeu continuar a destacar abusos de direitos humanos na China “de forma implacável”.

“Os norte-americanos valorizam a noção de liberdade. A América valoriza os direitos humanos. […] E enquanto continuarem a violar os direitos humanos de forma tão flagrante, vamos continuar de forma implacável a chamar a atenção do mundo e deixar claro o que está acontecendo”, disse.

PARTIDO REPUBLICANO 

O presidente foi questionado sobre estratégias para avançar a agenda no Congresso mesmo como a resistência da oposição republicana.

Joe Biden disse que está empenhado em lidar com os problemas que os EUA enfrentam e que cabe aos republicanos decidirem se “querem trabalhar juntos” ou “dividir o país”.

O principal projeto do governo até agora, o pacote de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão para o combate à pandemia, foi aprovado na Câmara sem nenhum voto do partido republicano.

Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui