Foto de arquivo do presidente chinês Xi Jinping, à direita, com o vice-presidente dos EUA na época,Joe Biden no Grande Salão do Povo em Pequim. 04/12/2013
 © AP Photo/Lintao Zhang

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, falou pela primeira vez por telefone nesta quarta-feira (10) com seu homólogo chinês, Xi Jinping, anunciou a Casa Branca. Na ligação, Biden expressou suas “profundas preocupações” sobre as práticas econômicas “injustas e coercitivas” de Pequim, sobre a repressão em Hong Kong e sobre “violações dos direitos humanos em Xinjiang”, região onde vive a minoria muçulmana uigur.

Os dois líderes também conversaram sobre a pandemia da covid-19 e os “desafios comuns” gerados pela segurança global de saúde e mudanças climáticas.

A estimativa é de que mais de um milhão de uigures estejam sendo mantidos em campos de reeducação política em Xinjiang.

Pequim rejeita o termo “campos” e garante que são centros de “treinamento vocacional”, projetados para fornecer emprego para a população e manter o extremismo religioso sob controle.

Há muita expectativa sobre a posição do novo presidente americano em relação à China: há várias divergências que geram tensão entre as duas principais potências mundiais.

Embora Biden tenha mostrado claramente sua disposição de se distanciar da política externa de Donald Trump, ele pode dar uma certa continuidade à política do ex-presidente em relação à China.

Em entrevista transmitida neste domingo pela CBS, Biden alertou que a rivalidade entre China e Estados Unidos se transformará em “competição extrema”, ao mesmo tempo em que disse que quer evitar um “conflito” entre os dois países.

Questionado sobre o presidente chinês, Biden declarou que o presidente chinês não tinha um “único osso democrático em seu corpo.”

“Confronto seria desastroso”, diz líder chinês

Um confronto entre a China e os Estados Unidos seria desastroso e os dois países devem fazer o máximo para evitar mal-entendidos, reagiu o presidente chinês na conversa com o presidente americano.

Xi Jingping lembrou que os dois países devem cooperar para gerenciar suas diferenças de maneira construtiva. Segundo ele, Pequim e Washington devem reestabelecer mecanismos de diálogo que permitiriam aos dois países compreender e evitar mal-entendidos.

O presidente chinês também disse à Joe Biden que espera que os Estados Unidos se mostrem “prudentes” sobre questões envolvendo a soberania chinesa e sua integridade territorial.

(Com informações da AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui