Baleia Rossi evita discutir sucessão na Câmara e defende diálogo com governo


Deputado Baleia Rossi (MDB-SP)Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP) afirmou que a saída do MDB do chamado “blocão” –grupo de partidos reunidos sob a liderança de Arthur Lira (PP-AL)– ocorreu pela necessidade de independência nas votações.

Presidente da legenda e líder do partido na Câmara, ele disse que a relação do MDB com o presidente Jair Bolsonaro segue inalterada e evitou falar sobre uma possível candidatura à presidência da Casa.

Quando eu fui eleito presidente do MDB, em outubro do ano passado, tivemos 1 indicativo na própria convenção que o MDB adotaria uma postura de independência. Portanto, só fomos fiéis ao que o partido defendeu“, disse o deputado em entrevista à Folha de S. Paulo.

Baleia Rossi negou que articulou a saída com o DEM. Explicou que a bancada se sentiu desconfortável com o pedido do bloco para a retirada da votação do Fundeb, “1 projeto caro ao MDB“.

Ele falou que Lira “é 1 líder mais próximo do governo, e, pela sua vasta experiência, pela compreensão que ele tem da Câmara, ele tem ajudado muito na pauta“.  Porém, reiterou que o líder do governo na Câmara é o major Vitor Hugo (PSL-GO). “A gente tem que respeitar isso“, afirmou Baleia Rossi.

RELAÇÃO COM GOVERNO

O emedebista nega que a saída seja 1 afastamento do governo: “Não muda absolutamente nada essa saída do bloco da relação com o presidente Jair Bolsonaro“.

Baleia Rossi admitiu que tiveram momentos em que a relação entre os Poderes foi mais complicada. Agora, nas palavras do deputado, “o presidente tem adotado uma postura de maior diálogo“. “As condições mesmo de votação de projetos relevantes, elas são muito melhores. Claro que, quando você tem diálogo, está mais próximo, não tem nenhuma turbulência, você tem condições de avançar mais“, avaliou.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Ao ser perguntado se estava ao lado do governo na questão da reforma tributária, o deputado elogiou o ministro Paulo Guedes (Economia), mas disse que não vê clima na Câmara para que seja aprovado 1 aumento de carga tributária.

Não podemos promover uma reforma tributária neste momento penalizando os brasileiros com aumento de impostos. A nossa reforma tributária, simplificação tributária, a PEC 45, tem efeito neutro. Porque ela redistribui sem aumentar a carga tributária“, disse.

Claro que o ministro Paulo Guedes tem boas ideias, confiamos na condução da economia do ministro. Ele poderá mandar algum projeto que, claro, a Câmara tem de discutir, o Senado tem de discutir. Mas que isso não traga aumento de impostos“, completou.

PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

Baleia Rossi é visto como 1 possível candidato a suceder Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Câmara. A eleição ocorre em fevereiro de 2021. O deputado negou ser candidato e não quis se aprofundar no assunto.

Eu acho que essa discussão tem que ser feita lá na frente. Não é o momento de se fazer essa discussão . Qualquer discussão sobre sucessão vai atrapalhar a reforma tributária, o bom andamento da administrativa, o novo marco regulatório do gás, toda a agenda que o país vai precisar“, disse.

Poder360

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *