Auxílio emergencialImagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Cerca de 43% dos beneficiários que receberão parcelas de R$ 150 da nova rodada do auxílio emergencial não terão suas perdas compensadas. Com o auxílio de R$ 250, a maior parte dos estados têm perdas de renda compensadas. Já com um pagamento de R$ 375, há ganhos para todas as unidades federativas. Essa é a conclusão de um levantamento do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira (Cemif) da FGV, feito pelos pesquisadores Lauro Gonzalez e Leonardo Oliveira.

O estudo, obtido pelo UOL, foi feito considerando as projeções de que 20 milhões de pessoas que compõe uma família unipessoal receberão as parcelas de R$ 150, outras 16,7 milhões (famílias de duas ou mais pessoas) terão direito ao benefício de R$ 250 e 9,3 milhões de mulheres são a única provedora da família receberão as parcelas de R$ 375.

Na avaliação dos dados sobre a perda/ganho de renda por Unidade Federativa (UF), no caso do auxílio de R$ 150, não haverá compensação suficiente para grande maioria dos estados. Os poucos que registram ganhos são das regiões norte e nordeste, “ressaltando o fato que os efeitos do AE (auxílio emergencial) são assimétricos e refletem a desigualdade regional do país”, escrevem os pesquisadores.

No recorte por gênero, no pagamento de R$ 150, o estudo apurou que mesmo com o benefício há uma perda de renda de 2% para os homens e de 4% para as mulheres. Com relação àqueles que receberão uma parcela de R$ 250, há ganhos de 10% e 9% para homens e mulheres, respectivamente. Nesse recorte, mulheres perdem mais com a ausência do auxílio.

O auxílio emergencial de 2021 vem em formato reduzido, tanto em valor – R$ 43 bilhões agora contra R$ 293 bilhões em 2020 – quanto em público alcançado – 45,6 milhões de pessoas agora contra 68 milhões anteriormente.

Mesmo menor que o valor pago no ano passado, os pesquisadores avaliam que o auxílio ainda tem um efeito geral positivo comparado à renda pré-pandemia: agrega mais 17% de renda para homens e 19% para mulheres. Sem o auxílio, as perdas de renda são de 20% e 29%, respectivamente.

O calendário de pagamento do auxílio, iniciado em 6 de abril, segue o mês de nascimento dos beneficiários. A primeira parcela será paga ao longo de abril, até dia 30, quando receberá quem nasceu em dezembro. No total, serão quatro parcelas.

Uol

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui