Jogadores do América lamentam gol da Chapecoense nos acréscimos do segundo tempo (Foto: Alexandre Guzanshe/EM D.A Press)

O América esteve muito perto de ser campeão pela terceira vez da Série B. O time fez a sua parte ao vencer o Avaí por 2 a 1, nesta sexta-feira, no Independência, pela 38ª rodada. Só que a Chapecoense riu por último graças a um gol de pênalti aos 50 minutos do segundo tempo na partida contra o Confiança, na Arena Condá, em Chapecó. O triunfo por 3 a 1 garantiu o título aos catarinenses, que somaram os mesmos 73 pontos dos mineiros, mas levaram vantagem no saldo de gols: 21 a 20.

Em Belo Horizonte, o Coelho abriu 2 a 0 no primeiro tempo, com os atacantes Rodolfo e Ademir. Na etapa final, criou chances para fazer o terceiro, porém esbarrou tanto no goleiro Gledson quanto na falta de pontaria. Aos 16min, o Leão diminuiu para 2 a 1, em finalização de cabeça de Getúlio, ligeiramente adiantado em relação ao penúltimo defensor americano.

Quando o árbitro Flávio Rodrigues de Souza encerrou o embate no Independência, a bola ainda estava rolando na Arena Condá. Os atletas do América passaram a acompanhar os últimos instantes do jogo da Chapecoense. A tensão deu lugar à frustração quando Anselmo Ramon deu cavadinha na penalidade máxima e anotou o gol do título.
Apesar da decepção momentânea pelo vice-campeonato, o Coelho tem mais a comemorar do que lamentar, pois assegurou o retorno à primeira divisão do Brasileiro com bastante propriedade e, de quebra, fez história ao alcançar as semifinais da Copa do Brasil – eliminado pelo Palmeiras após empate por 1 a 1, em São Paulo, e revés por 2 a 0, em Belo Horizonte.
A campanha da equipe treinada por Lisca na segunda divisão foi de 20 vitórias, 13 empates e 5 derrotas – o mesmo desempenho do grupo campeão em 2017 sob o comando de Enderson Moreira. Foram 43 gols marcados e 23 sofridos. Juventude e Cuiabá, ambos com 61 pontos, também subiram à elite do futebol brasileiro.

O jogo

A conta do América era simples: bastava conquistar um resultado idêntico ao da Chapecoense para ficar com o troféu. Logo no início do jogo contra o Avaí, o goleiro Matheus Cavichioli fez ótima intervenção ao pegar um pênalti cobrado pelo zagueiro Alemão. Imagens do SporTV mostraram que não houve falta de Anderson em Getúlio.
A defesa de Cavichioli foi praticamente simultânea ao gol da Chapecoense sobre o Confiança, aos 4min, com o atacante Anselmo Ramon. A equipe de Santa Catarina chegou a assumir a liderança por alguns minutos, mas o Coelho, motivado pelo brilho de seu goleiro, logo se restabeleceu no duelo.
A jogada do primeiro gol, aos 7min, começou lá atrás, de um lançamento de Messias da direita para a esquerda. No extremo de campo, Felipe Azevedo passou de cabeça para o meio da área, Alê se antecipou à marcação adversária e serviu a Rodolfo, que encheu o pé e estufou a rede. O camisa 9 chegou ao 17º gol em 52 partidas na temporada: 1 a 0
O América queria mais. Por isso, pressionou bastante a saída de bola com o intuito de forçar o erro do Avaí. Deu certo. Aos 15min, Ademir interceptou o passe de João Lucas e colocou Juninho na cara do gol. O camisa 8 poderia ter rolado para Felipe Azevedo, que apareceu sozinho na grande área. Contudo, preferiu finalizar e parou em uma arrojada saída do goleiro Gledson.
Se Juninho falhou na conclusão perto da meta, Ademir acertou o pé de longa distância aos 22min. Gledson até tocou na bola, mas não conseguiu rebatê-la: 2 a 0. Mérito para o camisa 10, eleito o craque da Série B pelo SporTV graças ao estilo de jogo de drible, arrancada, velocidade e movimentação. Foi o oitavo gol dele em 28 apresentações no campeonato.
Depois de administrar o resultado no restante do primeiro tempo, o América quase fez o terceiro aos 6min da etapa final, quando Rodolfo recebeu cruzamento de Ademir e cabeceou para boa defesa de Gledson. O gol no Independência não saiu naquele instante, mas na Arena Condá sim. Era de Reis, do Confiança, que deixava tudo igual contra a Chapecoense.
O cenário parecia perfeito para o América, mas o Avaí diminuiu aos 16min, em finalização de cabeça de Getúlio, que estava impedido no momento em que recebeu o lançamento do lateral-direito Iury. Vale ressaltar que o lance só poderia ser conferido com o auxílio do VAR, que não é utilizado na Série B.
Enquanto tentava segurar o ímpeto do Avaí para ir atrás do terceiro gol, o América ficava de ouvidos nas informações sobre a partida da Chapecoense. O desespero bateu aos 34min, quando em Santa Catarina o atacante Perotti recolocou a equipe da casa em vantagem: 2 a 1.
A emoção foi até o fim. Em Chapecó, Perotti fez mais um, só que a arbitragem assinalou impedimento. Em Belo Horizonte, Ademir teve ótima oportunidade de fazer o terceiro do Coelho, mas bateu por cima, depois de ótima assistência de Neto Berola.
A bola parou de rolar no Independência, mas continuou em jogo na Arena Condá. Até que o inacreditável aconteceu: a Chapecoense teve um pênalti a seu favor, converteu com o centroavante Anselmo Ramon e subiu à Série A como campeã.

AMÉRICA 2X1 AVAÍ

AMÉRICA
Matheus Cavichioli; Daniel Borges (Marcelo Toscano, aos 30min do 2ºT), Messias, Anderson e João Paulo (Neto Berola, aos 30min do 2ºT); Zé Ricardo, Juninho e Alê (Geovane, aos 30min do 2ºT); Ademir, Felipe Azevedo (Sávio, aos 30min do 2ºT) e Rodolfo (Léo Passos, aos 41min do 2ºT)
Técnico: Lisca
AVAÍ
Gledson; Iury (Felipe Santos, aos 30min do 2ºT), Alemão, Betão e João Lucas; Ralf (Luan Silva, aos 29min do 2ºT), Pedro Castro e Vinícius Leite; Renatinho, Rômulo e Getúlio
Técnico: Claudinei Oliveira
Gols: Rodolfo, aos 7min, Ademir, aos 22min do 1ºT (América); Getúlio, aos 16min do 2ºT
Motivo: 38ª rodada da Série B
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Data: sexta-feira, 29 de janeiro de 2021
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Evandro de Melo Lima (SP)
Rafael Arruda / SuperEsportes           

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui