Defender os direitos dos idosos, com leis que protegem o bem-estar, combatem a violência e trazem benefícios para essa parte da populção faz parte da rotina e das conquistas que a Assembleia Legislativa Paraíba (ALPB) tem conseguido para os maiores de 60 anos, com leis e iniciativas que fazem com que este 15 de junho, Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, seja uma data a ser lembrada pelo Legislativo Paraibano.

O presidente da Casa, Adriano Galdino, ressalta que a ALPB tem sempre procurado desenvolver ações que beneficiem os mais velhos, inclusive nesse período de pandemia do coronavírus (Covid-19). “Todos os parlamentares desta Casa têm trabalhado nesta legislatura para promover leis que beneficiem todos os cidadãos sem restrições, mas sempre com o cuidado em proteger aqueles que possuem um maior grau de vulnerabilidade como os idosos e os deficientes. Não vamos poupar esforços para melhorar ainda mais a qualidade de vida do nosso povo paraibano e proteger o mais velhos de qualquer tipo de violência”, destacou Adriano Galdino.

Dentre os projetos que tramitam na Casa, destaca-se o 1753/20, da deputada Jane Panta, que dispõe sobre os registros de violência contra idosos, mulheres e crianças, por meio de delegacia virtual, durante a pandemia do coronavírus.

Também tramita na Casa de Epitácio Pessoa o projeto de lei 1614/20, do deputado Nabor Wanderley, que obriga atendimento prioritário a idosos, crianças e mulheres vítimas de violência e que necessitam realizar exame de corpo de delito.

Benefícios

A ALPB também promulgou recentemente a lei que trata da implementação do programa “Remédio em Casa”, durante a pandemia da Covid-19, e que tem como objetivo a distribuição de medicamentos em residência durante pandemia. A lei, de autoria do presidente Galdino juntamente com o deputado Tião Gomes, contempla idosos, pacientes com dificuldade de locomoção, pacientes em tratamento de câncer e com doenças crônicas.

Outra lei promulgada pela ALPB, e que beneficia os idosos, é a que torna preferenciais todos os assentos de ônibus intermunicipais do estado. Segundo a legislação, os assentos são preferenciais para idosos, obesos, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, gestantes, pessoas com criança de colo e pessoas com autismo.

“O Legislativo Estadual faz questão de cumprir o seu papel, realizando atividades e elaborando leis que busca alternativas que possibilitem um envelhecimento ativo, saudável, inclusivo, cidadão e sustentável”, disse Adriano Galdino.

Adriano Galdino disse ainda, que os idosos representam 14,3% da população brasileira, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. Ele ressaltou que pesquisas apontam que em 2030, o número de idosos deve superar o de crianças e adolescente de zero a quatorze anos. Por tanto, segundo ele, é preciso entender que o envelhecimento da população traz impactos consideráveis e apontam para uma organização maior e mais urgente do Estado, no que diz respeito as condições para uma vivência de forma saudável.

Redação com ALPB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui