A usina de carvão Niederaussem, da gigante energética alemã RWE, se tornará nesta sexta-feira (1°) a primeira a fechar como parte da eliminação do carvão na Alemanha até 2038.
 INA FASSBENDER AFP/File

Com a chegada do novo ano, a Alemanha lança dois projetos emblemáticos para sua transição energética: o faturamento de cada tonelada de CO2 emitida por transportes e habitações, e a eliminação gradativa do uso de carvão, com o fechamento de uma primeira termelétrica.

Por Sergio Correa, correspondente da RFI na Alemanha

Um novo recorde foi alcançado em 2020 na Alemanha: 46% da energia utilizada no país veio de fontes renováveis. Agora, o próximo objetivo desta década que se inicia é aumentar o percentual para 65%. Para apoiar esta meta a partir deste ano de 2021, haverá um imposto sobre as emissões de CO2.

A partir desta sexta-feira (1°), toda empresa que comercializa combustíveis fósseis terá que pagar € 25 (cerca de R$ 160) por cada tonelada de CO2 produzida por esses combustíveis. Em 2025, o valor passará de € 25 para € 55 por tonelada gerada.

O ponto sensível dessas medidas, por outro lado, é que será o consumidor final a pagar a conta. Quem tem carro, por exemplo, terá que pagar 7 centavos de euro a mais por litro de gasolina. Além disso, os custos de aquecimento, expressivos em países com invernos longos como a Alemanha, também aumentarão para os inquilinos de imóveis alugados, uma vez que eles não têm autonomia para escolher o tipo de energia dos imóveis que ocupam, decisão que cabe aos proprietários. O governo tentará equilibrar esse aumento de custo para os inquilinos, reduzindo o preço da eletricidade e fornecendo subsídios para famílias de baixa renda.

O governo acredita que a aplicação desses impostos levará os alemães a instalar mais painéis solares ou comprar mais carros elétricos, embora as duas alternativas ainda estejam longe de poder substituir suas antecessoras: os carros elétricos têm pouca autonomia e demoram muito para recarregar, e os painéis solares ainda apresentam um desempenho ruim e sua energia deve ser armazenada em baterias que perdem gradualmente a carga. Grandes são as ambições verdes no país, mas a tecnologia verde ainda deixa a desejar.

O fim do carvão

Autoridades alemãs também planejam desativar, a partir desta sexta-feira, uma usina termelétrica de 300 megawatts lançada em 1968 em Niederaussem, no oeste do país. Com o encerramento de suas atividades, a primeira economia europeia irá inaugurar seu ambicioso projeto de abandonar o carvão, um combustível poluente, até 2038.

Ao mesmo tempo, 4,7 gigawatts de capacidade em diversas usinas termelétricas a carvão do país estão sendo desconectadas neste 1º de janeiro.

Aprovada pelo Parlamento em julho, a lei sobre o fim do uso do carvão prevê que o prazo final, de 2038, pode ser adiado em três anos, dependendo do andamento do plano.

(Com informações da AFP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui