A Superliga Chinesa definiu nesta segunda-feira os times que seguirão para a próxima fase brigando pelo título e aqueles que lutarão contra o rebaixamento. A primeira fase do campeonato acabou com 316 gols. Destes, 89 tentos foram marcados por brasileiros.  31 atletas brasileiros jogaram o Chinês na atual temporada (até aqui, já que tem gente para estrear, como Tiquinho Soares, reforço do Tianjin Teda).

Ou seja: dos 420 jogadores que entraram em campo no campeonato, 7,3% eram brasileiros. Entre os 16 times participantes, só Shanghai Shenhua e Shenzhen FC não têm nenhum brasileiro no elenco. A busca por brasileiros é justificada no desempenho.  Além de marcarem 28% dos gols do Campeonato Chinês até aqui, os brasileiros contribuíram com 43 assistências, participando diretamente de 132 gols (41% do total).

O principal artilheiro brasileiro é Marcão, do Hebei China Fortune, que marcou 11 gols, seguido de Paulinho, do Guangzhou Evergrande, que marcou nove tentos. Oscar é o grande garçom brasileiro, com oito assistências pelo Shanghai SIPG, seguido de Matheus, do Shijiazhuang Ever Bright, com cinco.

Só os chineses marcaram e contribuíram com mais gols no campeonato local. Foram 99 gols (31%) e 104 assistências chinesas, somando 203 participações em gols. 64,2% dos gols tiveram a participação de um chinês (artilheiro ou garçom). O poder de fogo chinês, porém, tem uma ajudinha brasileira: Elkeson (cinco gols e duas assistências) e Alan (quatro gols) se naturalizaram chineses e somaram seus números aos dos atletas nascidos na China (se contassem como brasileiros, o Brasil seria o país com mais gols na Superliga).

Sem contar os oito gols de Éder, contabilizados para a Itália já que o atacante, catarinense de Lauro Müller, se naturalizou italiano.  As outras nacionalidades contribuíram com 116 gols (36% do total) e 55 assistências (171 participação em gols, estando presente em 54,1% dos tentos do campeonato).

Da somatória de gols exclui-se os 12 gols contras marcados.  Fora China e Brasil, a República Democrática do Congo é a nacionalidade que contribui com mais gols no Campeonato Chinês: 13 gols e cinco assistências, muito devido a Cédric Bakambu, principal artilheiro da competição até aqui, com 11 gols. Ao todo, jogadores de 28 países diferentes marcaram na Superliga Chinesa, e de 33 países contribuíram em gols. Confira o número de gols e assistências por país:

China – 99 gols / 104 assistências  Brasil – 89 gols / 43 assistências República Democrática do Congo – 13 gols / 5 assistências  Venezuela – 9 gols / 3 assistências Israel – 9 gols / 3 assistências Polônia – 6 gols / 5 assistências Itália – 6 gols / 4 assistências França – 8 gols / 2 assistências Camarões – 9 gols Áustria – 7 gols / 1 assistência Costa do Marfim – 5 gols / 3 assistências Colômbia – 6 gols / 2 assistências Espanha – 3 gols / 3 assistências Serra Leoa – 2 gols / 4 assistências  Suécia – 4 gols / 1 assistência Croácia – 5 gols Noruega – 2 gols / 3 assistências Bélgica – 4 gols Zâmbia – 3 gols / 1 assistência Bósnia – 1 gol / 3 assistências Coreia do Sul – 3 gols Eslováquia – 2 gols / 1 assistências Hong Kong – 1 gol / 2 assistências Uzbequistão – 1 gol / 1 assistência Gabão – 1 gol / 1 assistência Austrália – 1 gol  Eslovênia – 1 gol Irã – 1 gol Taipê – 0 gol / 2 assistências Gana – 0 gol / 2 assistências Alemanha – 0 gol / 1 assistência Congo – 0 gol / 1 assistência Sérvia – 0 gol  / 1 assistência

O Gol 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui